25 novembro 2007

Cidades moçambicanas shoppinganizam-se

Diz o semanário "domingo" de hoje que os Chineses vão construir na Beira um Shopping Centre com oito pavilhões e 300 lojas (p. 14). É obra, depois do Maputo Shopping Centre do MBS. Assim nos shoppinganizamos e, coisa bela, como disse o presidente da Assembleia da República de Portugal, Jaime Gama - enlevado com o shopping de Bachir Sulemane -, é dado adquirido que em Moçambique já não há fome.

10 comentários:

J Francisco Saraiva de Sousa disse...

Os shoppings têm aspectos bons e maus, mas a verdade é que eles possibilitam alguma felicidade àqueles que são mais desfavorecidos, ainda que metabolicamente reduzida e um tanto ou quanto alienada, até porque são ambientes fechados sem relógios e propícios às práticas de voyeurismo.
Abraço

AGRY disse...

Reinaldo Ferreira, nasceu em Barcelona mas foi no Maputo que passou grande parte da sua vida, tendo aqui falecido em 1959
Se hoje fosse vivo, talvez escrevesse:
O FUTURO
Ao fim da tarde, iremos ao shopping
Entediados, em grupos familiares,
Aos pares,
Dando-nos ares
De pessoas invulgares,
Ao fim da tarde iremos ao shopping
Diremos, nos encontros casuais
Com outros clãs iguais,
Banalidades rituais,
Fundamentais.
(Ver poema O Futuro já publicado no Diário de Um Sociólogo

J Francisco Saraiva de Sousa disse...

Oi Agry
Não o vejo há muito tempo.
Tudo Ok?
abraço

Unknown disse...

Gradualmente os shoppings vão substituindo os jardins públicos e acabam se transformando em pontos de encontro elazer. Sim eles representam um desenvolvimento e acima de tudo uma forma de criação de mais postos de trabalho que beneficia até as camadas sociais mais desfavorecidas...

Unknown disse...

Não concordo com a visão do presidente Gama, os moçambicanos continuam a num fosso cada vez maior em termos de desigualdade social, os relatórios de desenvolvimento humano e a relaidade provam isso. Este desenvolvimento ainda não se faz sentir na base onde temos maior parte da população vivendo em condições degradantes.

Carlos Serra disse...

Pois é, Wetela, mas Gama estava num ar-condicionado do shopping do Bachir...

Reflectindo disse...

Se com o Shopping do Bachir, em Maputo, provou-nos que se geram empregos, e muitos, penso que temos que desejar um avanco sem recuo.

Portanto, que se avance na Beira e venham mais shoppinganizadores para outras cidades de Mocambique.

Anónimo disse...

Reflectindo deve com certeza estar a aconselhar que se reduzam as assimetrias ou melhor... Moçambique seja Moçambique e não apenas Maputo...
Quem sabe possamos realmete dizer que já não há fome em Moçambique....

nelsonleve

Anónimo disse...

Não creio que um Shopping Centre seja um indicador económico e de desenvolvimento. Temos como exemplo Portugal, um dos países da Europa com mais Centros Comerciais por metro quadrado e no entanto sempre agarrado com unhas e dentes à cauda de europa.
É verdade que é um gerador de empregos. Mas por outro lado esmaga completamente o pequeno comerciante.

Para além de se debater o facto de vir a ser criado um C.C. porque não reflectir nas contrapartidas da construção do mesmo por parte dos chineses, que aceleram o ritmo de investimento em África a cerca de 150% anualmente?

Cumprimentos,
AC

Anónimo disse...

Questão importante a que AC levanta. Contudo, mais do que conduzir à inacção e ao imobilismo, caracterizados pela manutenção sentimentalista de sistemas produtivos que, ao longo dos séculos, perpetuaram a miséria das nossas mamanas, deveremos avançar na procura de caminhos que propiciem o progresso da nossa terra.

Obed L. Khan