17 novembro 2007

Linchamentos e pessoas ricas

Prosseguimos na Unidade de Diagnóstico Social o estudo dos linchamentos urbanos em Moçambique. Numa escala de atitudes que aplicámos em Beira, Maputo e Matola a 60 vendedeiras de banca fixa e a 60 vendedores ambulantes, quisemos conhecer as reacções à frase-estímulo "se ladrão for pessoa rica deve sofrer pneu também" (pneu=linchamentos em Maputo e Matola; em Beira optámos por escrever "(...) deve ser queimada também"). Eis os resultados:

Querem comentar?

12 comentários:

Anónimo disse...

1. As gerações 34-44 e 45-64 parecem ser as que tiveram maiores responsabilidades familiares nos períodos mais difíceis da evolução política e social do País. Tiveram de fazer das "tripas coração" para sobreviver com dignidade e, em bastantes casos, continuam a fazer. Estão saturadas - entraram na faixa da tolerância zero.
2. ALEGRA_ME que as gerações 16-24 e 25-34, entendam os sacríficos a que seus pais estiveram sujeitos mas olhem para o presente e futuro com mais racionalidade e tolerância. Não estamos perdidos com a juventude a pensar assim.
3. Depois vem a sabedoria dos que se encontram na fase mais descendente da vida, dos séniores, com mais de 65 anos ... querem partir um dia de bem com todos.
Florêncio

Carlos Serra disse...

Excelente! Muito obrigado! tentarei colocar aqui, a pouco e pouco, mais alguns resultados em gráficos...Por ora, ainda não fiz intervir os resultados de acordo com variáveis nem as correlações.

Anónimo disse...

> Aditamento:
Bem, parti do princípio que as respostas seriam idênticas se a pergunta não individualizasse o ser rico ou pobre: que está em causa apenas o linchamento.
Florêncio

Carlos Serra disse...

Sim...

Anónimo disse...

Seria também interessante inquirir-se sobre o que fazer a um ladrão que roube a uma pessoa rica.

Carlos Serra disse...

Lá chegaremos.

Anónimo disse...

Parece-me terem sido inquiridas apenas 4 pessoas com 55-64 anos e 2 com mais de 64. Não estaremos perante um universo demasiado pequeno para apreciar o que pensam esses grupos ou mesmo cada grupo etário? A amostra está bem constituída para uma análise nessa perspectiva?
Fátima Ribeiro

Carlos Serra disse...

Na impossibilidade de darmos corpo a uma amostra probabilística (portanto, com rigor matemático), foi necessário trabalhar de forma qualitativa e, por isso, escolhemos pequenas quotas de vendedeiras de banca fixa e de vendedores ambulantes de mercados situados em bairros onde ocorreram linchamentos. A ideia foi a de colher tendências.

Unknown disse...

Como avaliar os crimes cometidos pelos colarinhos brancos e compara-los na mesma proporção com os dos colarinhos azuis?

Carlos Serra disse...

Importante e difícil questão...

Unknown disse...

Realemente é complicado pensar no linchamento de pessoas ricas. Dai que penso na dificuldade de se fazer uma comparação dos crimes entre os dois estratos sociais. Segundo Edwin Sutherland o crime cometido por uma pessoa de respeitabilidade e elevado estatuto social, status sócio-econômico, são crimes sem violência cometidos geralmente em situações comerciais para ganho financeiro. São muitas vezes crimes de difícil percepção pois envolvem operações comerciais bastante complexas. Neste persperctiva em que parte do puzzle iramos cologar os linchadores? Bem, provavelmente os juizes fiscais alguns oficiais de justiça é que são os "linchadores" que muitas vezes são corompidos para não levantarem o pneus e lhes aterar o fogo.

Carlos Serra disse...

Ainda voltarei a um outro gráfico a propósito de pessoas ricas..