28 novembro 2008

Fraude e efeito tenaz (1)

Desculpem, só agora ressurgir aqui. O meu velho xigorogoro teve um problema.
Mas vamos lá: de que vos quero falar? Da fraude e do efeito tenaz. Daqui a pouco já regresso para vos falar disso.
(continua)

8 comentários:

kimmanel disse...

A pouco sai para tomar alguma coisa ,e por la encontrei me com um antigo colega meu que nao o via a bastante,depois de um forte abraço perguntei pq tanta ausença .uma resposta tao simples nao demorou a chegar, disse:ja nao estou a viver em maputo 2 anos ,fui transferido para a cidade Democratica.como nao percebia a linguagem repisei ,aonde e isso ,e ele exlareceu-me"com muito orgulho : Na cidade da Beira

kimmanel disse...

O discurso do Mazanga ontem na Stv fez com que eu lhe enviasse este conselho:

Maior parte dos nossos problemas na vida ,nos esperamos que seja o tempo a resolver ,mas ha momentos na vida em que o tempo é que é problema.Ha problemas que jamais o tempo resolvera se nao formos capazes de resolver dentro de um tempo

Anónimo disse...

Prof.
Para quem Ontem viu na STv, o Mazanga apesar de terem lhe chamado de miúdo é o único a defender com unhas e dentes o seu paizinho(Dlakama), dá pena ver a Renamo.
Acho que Mazanga tem ganhos quando a Renamo esta desorganizada!!!
Ps. A Renamo cada vez mais moribunda.

kimmanel disse...

mas houve uma contradicao no mesmo Mazanga .como é que Mazanga diz que ha pessoas que sofreram pela Renamo (essas é que tem direito a opiniao) e ao mesmo tempo minimiza o discurso de Raul Domingos.Gostaria que o Mazanga se informa-se melhor em que condicoes o Raul Domingos entrou na Renamo e Aonde estava O Mazanga nesta altura.Excluir um discurso de Raul Domingos sobre Renamo e mesmo que obrigar as pessoas a nao saber do Urias Simango quando se trata da historia da criacao da Frelimo

Nuno Amorim disse...

Caro anónimo,
por incrível que pareça o Mazanga não é o único a defender o "Kota" Dhlakama…temos muitos que na falta de argumentos, para contradizer a retumbante vitória da frelimo, refugiam-se no discurso da fraude. Curiosamente este discurso começou a ganhar forma a partir da primeira aparição pública do líder, após a humilhante derrota.
Ps. Os Os números apresentados pelo Mazanga fazem algum sentido. Se calhar os académicos não foram a tal mais valia que se espera (kakakakakakakaka).
Orgulhosamente Moçambicano, Nuno Amorim

Anónimo disse...

ESPANTOSA A TENDÊNCIA DE ALGUNS SECTORES DE DIZEREM COISAS MUITO SÁBIAS. ESPANTOSA A DIFICULDADE DESSES SECTORES DE FORMULAREM PERGUNTAS SIMPLES QUE SERVIRIAM PARA DAR SUPORTE ÀS SUAS ACUSAÇÕES. ALGUÉM, PARA ALÉM DE DLAKHAMA E DE CARLOS SERRA, VIU OS TAIS CAMIÕES A TRANSPORTAR CAMPONESES EM MAPUTO, NO XAI-XAI, EM RIBAUE, EM MILANGE, NO GURUE, EM NACALA...?
aLGUÉM, QUE SEJA SÉRIO E CREDÍVEL, E QUE VIVA OU TENHA ESTADO NESSES MUNICÍPIOS, VIU OS TAIS CAMIÕES?
DLHAKHAMA E CARLOS SERRA PODEM NOS DIZER QUEM SÃO ESSAS PESSOAS QUE VIRAM AS CENTENAS DE CAMIÕES QUE ALTERARAM O SENTIDO DE VOTO NAS ELEIÇÕES AUTÁRQUICAS RECENTEMENTE TERMINADAS?
EU CREIO QUE É SÓ A PROPENSÃO DE FALAR MAL. QUANDO NÃO HÁ NADA MAU INVENTA-SE. ISSO PODE-SE DESCULPAR EM DLAKHAMA MAS NÃO EM CARLOS SERRA.

Nuno Amorim disse...

Relativamente ao discurso da fraude, camiões transportando pessoas ou tolerância de ponto ao nível nacional no dia das eleições, gostaria de por em análise o editorial do Jorna Lúrio, datado de 26 de Novembro de 2008.
"a Frelimo não pode ser crucificada pelo simples facto de ter desalojado a perdiz de alguns Municípios. Só pode ser aplaudida pelo facto de ter feito um trabalho de base sério, maduro e com responsabilidade.
A Renamo não pode ser culpada por ter perdido estrondosamente nestas eleições autárquicas. Só pode ser aplaudida pelo facto de ter feito um trabalho de topo a base , sem coerência, sem a visão aglutinadora de uma juventude que poderia contribuir para sua afirmação na base.".
Caros, aqui está um discurso de um apartidário que analisou as patologias e virtudes dos maiores concorrentes as eleições autárquicas.
Orgulhosamente Moçambicano, Nuno Amorim

Reflectindo disse...

Caro Numo Amorim,

Juro que não concordo contigo que este discurso seja apartidário.

Eu gostaria que me passasses todo o artigo e não apenas a parte que te interessa.