03 fevereiro 2007

Abaixo os maus hábitos e costumes! Abaixo as tchuna-babies!




O ministro de Educação e Cultura, Aires Aly, reinaugurou o Instituto de Formação de Professores Eduardo Chivambo Mondlane, no bairro Inhamissa, cidade de Xai-Xai, acompanhado do governador de Gaza, Djalma Lourenço.
Mas ambos ficaram pesarosos, segundo o "Notícias" de hoje, em manchete com o título acima, no dia dos heróis moçambicanos. O que provocou o pesar nos governantes?
Comecemos pelo governador Lourenço, agastado com as tchuna-babes:

"As calças que as alunas vestem mandaram fazer no alfaiate e não compraram na loja. Não é verdade que os nossos alfaiates deixaram de saber fazer calças e só optem por “tchuna-baby”. Podemos aceitar que comprada na loja seja “tchuna-baby”, o mesmo já não se pode dizer com relação às calças que são encomendadas aos alfaiates. Com isto, quero dizer que não se pode aceitar que futuras professoras andem mal apresentadas porque de nada valerá a formação”.

A seguir foi a vez do ministro Aly:

“Não se pode aceitar que futuros professores andem como cabritos. Devem uniformizar o modo de caminhar, seja na rua, quando se vai ao refeitório até mesmo aos campos de produção.”

E acrescentou Aly:

“Devem ter ainda horário único de acordar, dormir, bem como a mesma forma e hora de comer. É importante dizer que os formandos devem aprender a cantar. Quando estiverem a realizar certas actividades devem estimular o canto."

Mas os pesares do ministro foram bem mais amplos. Acontece que o formando, logo que formado, mudava de ideias em relação ao futuro:

"Já não regressa à aldeia porque experimentou banho de chuveiro, que no povoado não tem. Já não volta porque tornou-se engenheiro ou doutor, e não pode conviver com outros na aldeia que o nasceu. Contudo, esquece-se que deve ser ele a montar o chuveiro na casa de banho da aldeia, criar condições para haver água, luz, comida e outras necessidades. Esqueceu-se o doutor ou engenheiro que deve ser ele a criar condições para que os pais, familiares ou concidadãos usufruam dos mesmos avanços.”

Rigoroso, Aly foi ainda mais longe e, segundo o "Notícias", "disse ser importante que os directores dos diferentes IFP´s combatam o ócio que muitos formandos denotam, chegando ao ponto de guardar no mesmo cacifo calçado, escova de dentes, alimentos, toalha, entre outros objectos. Para ele, os alunos devem saber separar os objectos, bem como serem exemplares na limpeza."
Leia aqui toda a notícia.
_________________
N.B-Repare-se que: (1) as ideias são de Ali e Lourenço, mas o título da notícia fala em "governo de Gaza" e "MEC"; (2) não há nenhuma referência à qualidade do ensino ministrado no Instituto.
A imagem do topo pertence a um famoso anúncio que durante alguns meses saiu na imprensa local e que muita controvérsia gerou, como poderão verificar na minha entrada de 14 de Maio.
Sobre as famosas "tchunas", confira aqui.

18 comentários:

Esfinge disse...

Xi mwana carlos estes titios so falta mesmo mandar estudantes vestir como padre e freira.

Carlos Serra disse...

Você é decididamente cruel, Senhora!

Anónimo disse...

Eu acho que o Ali e o Djalme tem muita razao, estes miudos nao estudam e so querem brincar tambem so vestem roupas indecentes. Se nao houver ordem no pais isto vai pegar fogo um dia.

JCTivane disse...

Deviamos proibir as miudas da escola de usarem as tchunas.

Carlos Serra disse...

Por outras palavras, Sr. Tivane, só falta activar, agora, uma Santa Inquisição "à maneira", não concorda?

Anónimo disse...

Descupa professor, mas tenho que concordar com a esfinge,e acrescento que bom seria tb colocar óculos escuros e luvas nas mãos.Assim tudo ficaria encoberto.Ah! deveria tambem usar a linguagem dos sinais, porque a voz tambem é um forte sinal de sensualidade e liberdade para um chamamento.
Em meu país, usamos o que bem queremos, e ainda não pegou fogo.Conheçe esta música sr.jactivane? "Moro, num país tropical, abençoado por Deus,e bonito por natureza,mas que beleza, tem CARNAVAL..." se o senhor assistisse ao desfile das escolas de samba, com certeza deixaria de fazer comentários aqui, pois morreria de ataque agudo.Já estamos quase chegando no mes do CARNAVAL, vem dar uma passeada aqui.Se por acaso,tiver um piripaque, não se preocupe, enviaremos teu caixão para tua terra natal sim? Deixo aqui o convite."apareça"!!!

Anónimo disse...

No meio de muito preconceito machista, e não desresponsabilizando o Governo pelo estado da situacao, nao deixo de dar alguma razao num comentario: "Contudo, esquece-se que deve ser ele a montar o chuveiro na casa de banho da aldeia, criar condições para haver água, luz, comida e outras necessidades. Esqueceu-se o doutor ou engenheiro que deve ser ele a criar condições para que os pais, familiares ou concidadãos usufruam dos mesmos avanços.”

Esfinge disse...

Xi mano Nzuze entao porque titio Ali e titio Djalma ja nao vivem la na aldeia, no mato? Quando gente faz bolo primeiro precisamos provar nos so depois dar a provar a outro. Xi mana Gabi mesmo dificil viver com manos tivanes.

Carlos Serra disse...

E assim estamos a discutir os costumes, que são tb os costumes da nossa forma de pensar..

Fátima Ribeiro disse...

Logo após a independência, nas escolas secundárias da FRELIMO, onde fui professora por 4 anos, era quase interdito às raparigas o uso de saias. Dizia-se que, pelo tipo de vida colectiva e intensa que levávamos, em regime de internato e forte disciplina, as saias, para além de não serem práticas, constituíam um obstáculo à participação plena da mulher/rapariga nas actividades, isto é, no trabalho agrícola, de construção civil, etc., que todos tínhamos para além da tarefa de ensinar ou estudar. Todas, professoras e alunas, usávamos calças. Só nos dias de festa podíamos usar vestidos, e tinham de ser compridos. A capulana amarrada, essa tão geralmente aceite marca de moçambicanidade, restringia-se às representações teatrais ou à intimidade das camaratas das raparigas. E assim era, por norma.
A certa altura, chegou à escola de Ribaué um grupo de professores alemães da RDA, quatro homens e quatro mulheres, todos ainda jovens. Liberais que eram no vestir, escusado será dizer que foi impossível manter com elas o que estava estabelecido. Talvez por isso, pouco a pouco começou a haver concessões. Então quando abriu na montanha perto de nós, a pouquinhos quilómetros, um clube com piscina, passámos ir para lá vestidas muito mais à vontade.
Um dia, ao regressar a pé dessa piscina, depois de ter atravessado uma aldeia vizinha, fui abordada por um dos trabalhadores locais da escola que, muito preocupado e respeitoso, me disse o que hoje assim recordo: Camarada professora, desculpe eu dizer isto, mas, quando passar ali perto das nossas casas, é melhor não usar calções. Pode ir só com calças ou saia, mesmo sem nada na parte de cima, se quiser, que não há problema. Mas calção é melhor não usar.
Quererão os sociólogos considerar estes factos, por si e na relação com o que nesta postagem se discute, e ajudar-me a compreender o (tipo de) puritanismo baseado na tradição que se quer fazer vingar?

Carlos Serra disse...

Fátima e restantes colegas: leiam a minha mais recente postagem sobre o controlo político da sexualidade.

JCTivane disse...

Eu repito: devemos proibir as nossas filhas de usar roupa escandalosa. A moral em primeiro lugar.

Avid disse...

PROIBIR?????????????????? Porque não educar? Ou dialogar?

P.S. Sr. Tivane já ouviu por acaso que o “proibido é desejado”?
Bjs meus

Anónimo disse...

Este senhor Tivane existe? Se existe, posso afirmar que por debaixo desta casca de pseudo-moralismo existe um TARADO,PEDÓFILO,OUSADO E CÍNICO senhor.Pois àquele que em tudo Vê o pecado, a desordem, a imoralidade...de certo esconde sua verdadeira identidade.
Não merece nossa misericórdia,merece nosso repúdio.

JCTivane disse...

Xamboco é uma coisa grossa para dar palmatoadas Senhora Gabi onde elas sao necessarias. E não preciso ir às suas favelas, aqui as temos também e também com pistoleiros.

Anónimo disse...

Então bastante XAMBOCOS = (PORRADAS E PAULADAS), EM VOCE.Quanto aos pistoleiros...AH!!! meu pôdre "senhor", isto aqui temos aos montes, e bastante baratinho, com apenas 100,00 (cem reais), contrata-se um ótimo pistoleiro."Aqueles" da favelinha que estão ávido por tua chegada, são muito bom nisto, são do tipo EXPORTAÇÃO. Venha aqui TIV,(vê minha intimidade contigo?), só mesmo para dar uma espiadinha.Dê um longo ADEUS para teus 7 filhos, pois certamente tua SAGA terminará neste BELO PAÍS TROPICAL. Já posso até imaginar a matéria na Folha de São Paulo (Jornal), " GAY AFRICANO SOFRE VIOLENTO ATENTADO QUANDO PERAMBULAVA PELAS RUAS DO RIO DE JANEIRO" - Aconteceu nesta segunda feira em plena Ipanema, a morte por espancamento, de um elemento identificado TIVANE - AFRICANO, (pois foi encontrado em seu bolso, o nome da pensão de última categoria onde estava hospedado), os manos além de espanca-lo até a morte, levaram seus documentos, sua carteira, e até mesmo um dente de ouro que o mesmo ostentava.Providências estão sendo tomada junto ao consulado para a devída remoção do corpo. ................................... FIM.

Anónimo disse...

Eu novamente...Senhora?????
Sou uma jovem senhorita tá? Creio mesmo que tenho idade para ser tua neta.

JCTivane disse...

Prontos, fica senhorita.