17 dezembro 2007

Situação agrava-se: mais três linchados na Beira

A situação agrava-se: mais três indivíduos foram linchados nos bairros de Macurungo e Matacuane, periferia da cidade da Beira, lá onde moradores privatizaram já o policiamento, como reportei aqui há dias.
Permitam-me dizer ou repetir que os linchamentos têm constituído um tema permanente neste diário desde a sua criação em Abril de 2006, com dezenas (qualquer dia centenas) de entradas de todo os tipos.

10 comentários:

Anónimo disse...

Não há ninguem possa pór ordem e parar com esses linchamentos? É que nesse processo muitos inocentes vão acabar sendo linchados. Não seria a primeira vez, já vimos "esse filme" rodar. Entendo a insatisfação popular e a falta de confiança na policia, mas há sempre o risco de alguns oportunistas (e criminoso) se aproveitarem dessa brecha. Veja o polícia que escapou por sorte? Só porque transportava panelas...

Nelson disse...

É desse jeito como vão as coisas...
É claro que não se pode sair logo acusando o governo e a policia pelos linchamentos. É claro que não se pode afirmar categoricamente que o estado da nação é "não bom" por causa desses casos de linchamento e logo na Beira. Existem muitos elementos a considerar antes de se chegar à conclusões...
Enquanto a justiça for confiada à populares sob pretexto de "colaboração com a polícia" teremos casos desses...

Anónimo disse...

"justiça confiada à populares sob pretexto de colaboração com a polícia"...essa foi bem terida.

O que eu acho interessante é como não temos nem capacidade para fazer uma cópia próxima do original de coisas que se vão fazendo neste mundo fora.

A RSA tem uma experiência interessante de policiamentos comunitários e relação polícia comunidade. A zona de Kwazulu Natal desenvolveu mdelos interessantes. Eu já passei uma temporada naquelas bandas e fui levado a perceber (por dentro) o sistema.

Será que a nossa polícia não poderia enviar uma equipa para aprender dessa experiência e (sem querer fazer copy and paste)trazer os aspectos positivos para cá?

As da-me a 'sensação que há muitos cultores da preguiça em algumas instituições públicas...

Reflectindo disse...

Eu penso que sucesso entre governo, polícia e populacão, é só quando todos têm o mesmo interesse: estancar o crime e trazer a justica, isto indiscriminadamente. Falo aqui de todo o tipo de crime, pois um crime eleitoral, por exemplo, pode comprometer o combate de muitos outros crimes; o nepotismo compromento todo um país. O que é que acontece no nosso país, concretamente?

Unknown disse...

Concordo consigo Nelson, a disculpa que consiste na atribuição de culpas ao governo morreu de velho. Se bem que estes actos reflectem uma grande falha do sistema. A socióloga Jacqueline Sinhoretto define os linchamentos como práticas coletivas de execução sumária de pessoas consideradas criminosas, embora tenha um caracter de acção única.
Segundo esta socióloga, o grupo linchador se forma em torno de uma vítima, ou grupos de vítimas, e após a ação, se dissolve. Por isso, diz-se dos linchamentos que são ações espontâneas e sem prévia organização. Julgo que está característica é que torna difícil a sua neutralização. Contudo há que se pensar em formas legais de parar estas vinganças populares a não ser que estejamos a caminhar para legitimar a ilegalidade...

Carlos Serra disse...

No que me concerne como cidadão, aflige-me o que se passa; no que me concerne como estudante de fenómenos como o aqui em causa, continuo a tentar entender. Por isso tenciono alargar a base de análise no próximo ano e sobre falarei oportunamente.

Carlos Serra disse...

Do lado direito do diário está a seguinte citação : "Confusão é o nome que inventámos para uma ordem que não compreendemos - Miller, Henry". Abraço!

Nelson disse...

Uma alma linchada escreveu. Confira no meumundonelsonleve.blogspot

Anónimo disse...

Sou residente na Beira e tenho estado frequentemente no bairro do Macurungo onde aconteceu um desses linchamentos.Devo dizer que neste momento o referido bairro tem sido fortemente ''policiado'' por jovens ai residentes. Uma vez quando encontrados pela FIR em plena missao de patrulha, os agentes trataram de os encorajar a matar qualquer suspeito de pratica de actos de criminalidade. Falo com conhecimento de causa.

Anónimo disse...

O estado da naçao é BOM!