27 outubro 2006

Retrato

Jovem, 32 anos, mãe de três filhos, moradora no Bairro Ferroviário das Mahotas, chegava da escola, noite, interceptada por três homens, apalpada minuciosamente na busca de celular e dinheiro, três horas de espera, três horas de angústia. Mas chegou a casa, sem lesão física. Apenas ficou a lesão moral. Deixou de estudar à noite.

2 comentários:

Marga F. Rosende disse...

Que duro...pobre muchacha.Esperemos que se recupere y continúe sus estudios.

Wetela disse...

De alguma maneira, os traumas provocaram na senhora alterações funcionais em áreas do cérebro, que ficam gravadas e geram defeitos funcionais do cérebro e estes podem se repetir sempre, inconscientemente, o que poderá prejudicar o desempenho futuro da pessoa. Neste caso a senhora já não vai a escola a noite...