11 setembro 2006

O aguilhão da abelha colonial

Montaigne escreveu que chamávamos bárbaros e selvagens aos que não eram como nós.
Montesquieu vituperou aqueles que estranhavam quem pudesse ser Persa.
Aqui, em qualquer poro desta cidade, em qualquer barraca, passamos a vida a rir-nos dos chingondos, dos que consideramos estrangeiros e atrasados, "aquela gente lá do norte".

Responsabilizamos o colonialismo pelo aviltamento da nossa alma, mas aprendemos bem a lição, muitos de nós.
O aguilhão da abelha colonial ainda nos habita.
Salvo, claro, se quisermos considerar que as nossas abelhas são puramente "made in Mozambique".

6 comentários:

Anónimo disse...

Tenho de concordar que nao e la mto agradavel ouvir que sou uma "Chingondo" cada vez que vou a capital, embora em muitos aspectos os ditos "seres evoluidos da capital" se encontrem mais atrazados do que os do Norte ou do que nos do Centro,nao vou falar deles porque sou preguicosa demais para estar aqui a enumerar esses aspectos ou porque em crianca me ensinaram que nao e delicado apontar os defeitos dos outros, entre outras coisas...Bjs. Tuchamz

PL disse...

Não sei escrever “Xichangane”.
Algum linguista podera colocar este pensamento na grafia correcta?
“A ti hau (Macaco) ti lhecana macovo”.
Os macacos riêm-se dos olhos encovados dos outros.

Wetela disse...

Percebo que a Tucha é do norte do país, mas digo que a Tucha não devia se sentir ofendida. Essas atributos existem por todo lado, mesmo entre as pessoas do norte centro e sul. O que acontece é que cada ou cada tribo tenta exaltar a sua supremacia cultural da sua tribo e nesse acto faz realçe aos aspectos "negativos" da outra tribo em questão...Por exemplo aqui no sul diz-se que os marongas são arrogantes, orgulhosos, pregiçosos e invejosos. Diz-se também que os manhembanas são feiticeiros e orgulhosos.Os maxanganas são grunhos e maxistas,nada asseiados...enfim, um vasto leque de interpretações e que levariamos tod ano a enumerar...por isso cara amiga, não te chateis com isso....

Anónimo disse...

Caro amigo Wetela...
Nao me chateio, apenas nao gosto mto dos rotulos que sao colocados a mim ou a qualquer outro individo do qual nao conhecemos muito bem ou entao nao queremos conhecer, a "supremacia" do sul em relacao ao Norte ou Centro a nivel politico, cultural e principalmente economico parece permitir que se generalizem as caracteristicas dos individuos que nao sao do sul dando-lhes por isso um rotulo pouco apreciativo na maioria das vezes. Nao discordo que todas as tribos tem a tendencia de discriminar ou rotular a quem nao pertenca ao seu grupo mas, temos de concordar tambem que esse habito e mais evidente no sul do que no resto do pais, que chegas ao norte ou ao centro e ninguem te poe abertamente um rotulo, mas ai isso e cada vez mais "normal" e talvez por isso eu nao esteja acostumada. Bjs Tuchamz
Ja me ia esquecendo...sou do centro :-)

Wetela disse...

Tem toda a razão Tucha,acho que podemos encontrar essa explicação na nossa história antes da independência e um pouco depois da indepêndencia...Acho que essa questão dos "seres evoluidos da capital" acontece um pouco por todo o mundo por isso são chamadas capitais...é onde tudo acontece, onde há maiores "possibilidades". Infelizmente esses atributos ao meu ver chegam até a acontecer de uma forma involuntária, muita gente quando diz "chingondo" podes crer que nem sabe o que esta a dizer ou o que realmente significa isso...Bjs

chapa100 disse...

a minha mae dizia que queria ser cigana, depois de tantos insultos contra maswahili na mafalala, ironia do destino vim cair num pais onde os ciganos sao tratados como raca de segunda...agora fico pensando melhor ela ser maswahili de mafalala do que cigana de ostrava...a tribo so vale no mundo que vivemos porque no outro mundo ela pode ser madrasta.