Blogue seleccionado em 2007 e 2008 pelo júri do The Bobs da Deutsche Welle - concurso internacional de weblogs, podcasts e videoblogs - como um dos dez melhores weblogs em português entre 559 concorrentes (2007) e um dos onze melhores entre 400 concorrentes (2008). Entrevista sobre o concurso de 2008 no UOL, AQUI.
Olá, sejam bem-vindas e bem-vindos a este espaço, diariamente renovado desde 2006.Sintam-se bem e regressem sempre. Índico abraço.
Myspace Layouts
<div style="background-color: none transparent;"><a href="http://www.rsspump.com/?web_widget/rss_ticker/news_widget" title="News Widget">News Widget</a></div>

26 Novembro 2006

Sociologia da dominação (3)


"Quando falares fala falando sem falares para que te percebam. Quanto à consciência do teu falar, isso fica comigo" (salmo 11 do Livro da Maka Política, 3216 da nossa era)

O que significa dominar? Significa basicamente que sou capaz de conseguir que uma pessoa consciente e em pleno uso das suas faculdades mentais faça o que eu quero que ela faça.
Muitas são as razões que podem levar essa pessoa a deixar-se dominar e muitas, também, as formas de dominação. Sobre isso não me vou debruçar.
A dominação consiste na substituição da vontade de outrem pela minha vontade. Outrem pode barafustar, como Calibão diante de Próspero na Tempestade de Shakespeare, mas obedece.
A mecânica da dominação tem duas componentes: o impulso e o aguilhão. O impulso é a ordem dada; o aguilhão é o efeito da ordem guardado no inconsciente do dominado.
O dominador nasce quando a sua ordem é obedecida (impulso); o dominado nasce quando a ordem já é dispensável e ele se limita a obedecer (aguilhão): bastam insígnias, uniformes, títulos, etc., para fazerem o aguilhão actuar. A dominação está interiorizada, a obediência ganhou vida própria, o quadro de referência do dominado passou a ser o do dominador.
Se os dominadores constroem os dominados, os dominados reproduzem os dominadores.
___________________
Sempre espero os vossos comentários, caros leitores. E reitero: em qualquer altura posso alterar o que aqui vou escrevendo, especialmente tendo em conta esses vossos comentários. O que escrevo apenas tem uma virtude: a de ser um produto defeituoso e sempre inacabado. Por isso vários dos vossos comentários têm-me levado (e continuarão a levar) a mudar o que escrevo.

2 Comments:

Anonymous Anónimo said...

A linearidade da sua ideia assuta-me um bocado, Professor. Essa ideia que dominacao se cinge a que o meu desejo seja obedecido nao permite ver dimensoes de negociacoes nem sempre evidentes, mas muitas vezes potentes.

Como mulher, o que me fascina e como a sociedade, mesmo alegando que somos o sexo fraco, frequentemente se referem a nos como as 'megeras manipuladoras' que conseguem sempre o que querem. E nem sempre isto se refere as classicas mulheres dominadoras.

Vejo a dominacao de facto como uma questao de negociacao e exercicio de poder. Mas creio que a dominacao efectiva nao passa simplesmente por conseguir o que quero, mas conseguir sistematicamente o que quero e sem muito esforco...

Eu iria mais longe, dizendo que se a dominacao e conquistada na base da forca, esta-se de facto perante uma dominacao mutua, em que ambas partes mantem a tensao da negociacao da obedicencia num limiar de permanente possibilidade de desobediencia.

A verdadeira dominacao seria entao aquela em que o dominador nao tivesse sequer que exercer o seu poder... o que Foucault chama de 'governamentalidade'.

Mas entao onde se traca o limite do que eu quero e do que o outro quer? Se alguem me disser que eu nao deveria querer isto que digo que quero, nao estara tambem a tentar dominar-me? E nesse caso nao passarei de quintal em quintal, mas sempre com a coleira em volta do meu pescoco?

Onde inicia a verdadeira individualidade e termina a individualidade associada a minha estrutura socio-cultural?

E... se sou um ser social posso eu ser (querer ser) um ser verdadeiramente individual nos meus desejos e quereres?

27/11/06 3:24 da tarde  
Blogger Carlos Serra said...

Tem razão.Veremos a continuidade do texto.

29/11/06 8:40 da manhã  

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home