O blogue "Diário de um sociólogo" foi seleccionado em 2007 e 2008 pelo júri do The Bobs da Deutsche Welle - concurso internacional de weblogs, podcasts e videoblogs - como um dos dez melhores weblogs em português entre 559 concorrentes (2007) e um dos onze melhores entre 400 concorrentes (2008). Entrevista sobre o concurso de 2008 no UOL, AQUI.
Para todas aquelas e todos aqueles que visitarem este diário, os meus votos de um 2017 habitado pelo futuro, pela confiança, pela tranquilidade e pela saúde. Sintam-se bem e regressem sempre a este espaço criado a 18 de Abril de 2006. Abraço índico.
Myspace Layouts
<div style="background-color: none transparent;"><a href="http://www.rsspump.com/?web_widget/rss_ticker/news_widget" title="News Widget">News Widget</a></div>

28 abril 2016

Mexeriquismo político rotineiro

O mexeriquismo político rotineiro de maldizer é como que um fenómeno natural, é como se cada sociedade fosse dicromata e tivesse necessidade de maldizer outrem para, juntamente com o bem-dizer, seguir em frente. Em particular, os partidos políticos, os seus porta-vozes, os seus intelectuais de plantão, os seus militantes, os seus simpatizantes, os seus jornais, os seus blogues e as suas páginas nas redes sociais digitais formam uma rede de castelos feudais permanentemente sem ponta levadiça, quer dizer, sem abertura para o exterior, sem contacto, sem partilha, sem permuta analítica, sem alianças. Dentro de cada castelo o mundo é encarado de forma maniqueísta, como tendo apenas dois lados: o lado dos bons no interior e o lado dos maus no exterior. Certos jornais do país são exemplares exercícios de mexeriquismo político rotineiro, nos quais o que está em causa é - apesar, aqui e acolá, de alguma pretensão científica - uma avaliação moral primária, não poucas vezes boçal. Nesses jornais o partido X é encarnação do bem e os restantes partidos são a encarnação do mal.
Num dos seus livros, Michel de Certeau escreveu que o conflito é inerente à vida social e que toda a sociedade se define pelo que exclui, que toda a sociedade se forma diferenciando-se. Formar um grupo é criar, ao mesmo tempo, estrangeiros. Uma estrutura bipolar, essencial a toda a sociedade, cria um "fora" para que exista um "entre nós"; fronteiras, para que possa existir um país interior; "outros" para que o "nós" possa tomar forma. Temos assim uma lei, a lei do grupo - asseverou Michel - que é, também, um princípio de eliminação e de intolerância. União e diferenciação crescem e marcham a par.

0 Comments:

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home