O blogue "Diário de um sociólogo" foi seleccionado em 2007 e 2008 pelo júri do The Bobs da Deutsche Welle - concurso internacional de weblogs, podcasts e videoblogs - como um dos dez melhores weblogs em português entre 559 concorrentes (2007) e um dos onze melhores entre 400 concorrentes (2008). Entrevista sobre o concurso de 2008 no UOL, AQUI.
Para todas aquelas e todos aqueles que visitarem este diário, os meus votos de um 2017 habitado pelo futuro, pela confiança, pela tranquilidade e pela saúde. Sintam-se bem e regressem sempre a este espaço criado a 18 de Abril de 2006. Abraço índico.
Myspace Layouts
<div style="background-color: none transparent;"><a href="http://www.rsspump.com/?web_widget/rss_ticker/news_widget" title="News Widget">News Widget</a></div>

20 abril 2016

Acertam em muito pouco

De Carlos Cardoso, jornalista moçambicano assassinado a 22 de Novembro de 2001, em texto de 1997 divulgado num livro sob minha direção em 1998, com a capa na imagem abaixo: "Sou, pois, contra um sistema político de economia desenvolvida aplicado automaticamente a um país de economia sub-desenvolvida. Não temos dinheiro para isso. Prefiro, de longe, um período longo de erros nossos, cometidos por nós, para aprendermos. O Banco Mundial recusa sistematicamente autorizar Moçambique a fazer os seus próprios erros e, assim, estamos sempre a apanhar com os erros deles. Acertam em muito pouco. A vice-ministra Luísa Diogo disse no último sábado, no “Linha Directa”, que a taxa de falhanço do Banco Mundial nos seus projectos atingia, nalguns casos, mais de 50%. Nenhum banco comercial poderia sobreviver com uma taxa de falhanço dessas." Aqui.

1 Comments:

Blogger nachingweya said...

"Acertam em muito pouco" mas sempre mandam porque estão sempre na mó de cima por causa da tipologia dos nossos erros, nós que nos cremos sempre certos.
NB: Se começarmos a puxar pelo atum a partir da pateira mais nos vai parecer uma enguia engordada. A desova deve ter acontecido na albufeira de Cahora Bassa com a reversão. O peixinho começa a nadar para a foz do rio com uma paragem em Caia a saborear as migalhas de betão caidas da obra. Fortalecido mas ainda com apetite desafia a corrente do Zambeze e descansa na curva do rio onde os suculentos pedaços de betão da segunda ponte nao tem hipotese de escape. A viabilidade do petisco esta em interditar por completo a via fluvial ao vizinho mesmo com sacrificio dessa porta ao carvao.Ao mesmo tempo o bicho vai afiando a dentadura para o Mphandha Nkhuwa que pode surgir. Com a demora o apetite começa a fazer dano. Daí uns edifiozinhos para so ministerios, um escritoriozinho para uso proprio. Da baia a vista é inspiradora, nao tardou que se petiscasse da Circular e da ponte em regime de adiantamento por causa de um timing adverso com possibilidades de controlo a partir de Muxara, ai proximo da base logistica de Pemba.
Estendendo-se de Palma a Ponta do Ouro e de Mágoe ao Chinde havia que o esta estabelecer o esquema de captura de tanto atum para, ja com alguma tranquilidade nos deliciarmos com sushi nos umbrais da pateira original!Nasceu a EMATUM e seus irmãos gemeos Pro Indicus e Terminal Logistica de Pemba.Genial!, reconheçamos.
Será que o Banco Mundial acerta muito pouco?

20/4/16 11:27 da manhã  

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home