O blogue "Diário de um sociólogo" foi seleccionado em 2007 e 2008 pelo júri do The Bobs da Deutsche Welle - concurso internacional de weblogs, podcasts e videoblogs - como um dos dez melhores weblogs em português entre 559 concorrentes (2007) e um dos onze melhores entre 400 concorrentes (2008). Entrevista sobre o concurso de 2008 no UOL, AQUI.
Para todas aquelas e todos aqueles que visitarem este diário, os meus votos de um 2018 habitado pelo futuro, pela confiança, pela tranquilidade e pela saúde. Sintam-se bem e regressem sempre a este espaço criado a 18 de Abril de 2006. Abraço índico.
Myspace Layouts

31 agosto 2015

A encruzilhada da Frelimo e de Nyusi: entre dominação e direcção [3]

Quanto mais os gestores de um Estado investirem nos aparelhos repressivos e na repressão, mais alta será a composição orgânica da política e menor a taxa de lucro político, quer dizer, menor a legitimidade.
Terceiro número da série. No número anterior deixei as seguintes perguntas: é o poder uma coisa, algo tangível, é o poder uma substância material que certos seres humanos excepcionais possuem em si ou dentro de si? O poder é individual, é pertença de um indivíduo?
Na verdade, o poder é uma palavrinha mágica que, no seu sentido mais imediato, digamos sinestésico, põe-nos logo a alma em sentido ou ajoelhada em santa reverência. Creio que todos nós temos do poder a imagem de algo tangível, mensurável, pegável. Por isso é corrente dizermos e escrevermos, por exemplo, coisas como "ele tem poder" ou "chegou ao poder" ou "o seu poder é visível".
É bem mais difícil conceber o poder não como uma coisa à mão de semear mas como uma relação ou, melhor, como produto de uma relação, de uma relação onde estão em jogo mútiplas coisas ao mesmo tempo.
Na verdade, o poder é produto de uma relação complexa, física e psíquica. Não é uma substância fisicamente tangível e não é pertença individual. O poder é, intrinsecamente, produto de um grupo.
Como um dia afirmou Hannah Arendt, o poder é sempre pertença de um grupo, apenas existindo enquanto o grupo estiver unido. Eis a sua posição no livro "Da violência": "Quando dizemos que alguém está “no poder” estamos na realidade nos referindo ao fato de encontrar-se esta pessoa investida de poder, por um certo número de pessoas, para atuar em seu nome. No momento em que o grupo, de onde se originara o poder (potestas in populo, sem um povo ou um grupo não há poder), desaparece, “o seu poder” também desaparece."

0 Comments:

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home