O blogue "Diário de um sociólogo" foi seleccionado em 2007 e 2008 pelo júri do The Bobs da Deutsche Welle - concurso internacional de weblogs, podcasts e videoblogs - como um dos dez melhores weblogs em português entre 559 concorrentes (2007) e um dos onze melhores entre 400 concorrentes (2008). Entrevista sobre o concurso de 2008 no UOL, AQUI.
Para todas aquelas e todos aqueles que visitarem este diário, os meus votos de um 2016 habitado pelo futuro, pela confiança, pela tranquilidade e pela saúde. Sintam-se bem e regressem sempre a este espaço criado a 18 de Abril de 2006. Abraço índico.
Myspace Layouts
<div style="background-color: none transparent;"><a href="http://www.rsspump.com/?web_widget/rss_ticker/news_widget" title="News Widget">News Widget</a></div>

23 setembro 2016

A propósito do esfaqueamento na Josina Machel [5]

Quarto número aqui. Passo ao quarto ponto do sumário proposto aqui, a saber: 4.Análise nacional. Quantos mais holofotes estiverem direccionados para um determinado fenómeno, melhor será a sua visibilidade. A análise nacional é mais um holofote no conjunto de hipóteses em jogo neste texto.
O jovem armado com uma faca na Escola Secundária Josina Machel na cidade de Maputo [recorde aqui] não é o único caso de violência escolar que poderia ter sido letal. É, apenas, um exemplo entre muitos outros. Poderá ter sido permeado por uma cultura de agressividade e punição naturalizadas que, sob as mais diversas formas, habita as redes sociais físicas e digitais, as televisões e as rádios do país, tivesse disso consciência ou não. Ataques, emboscadas, sequestros, assassinatos e destruições variadas tornaram-se parte integrante e banalizada do nosso quotidiano. Com uma faca ou com uma arma de fogo, jovens há que se convencem de poder jogar o papel de heróis, determinando com crueldade - e quantas vezes com letalidade - o destino de pessoas, grupos e locais.
Em seu percurso, em sua acção punitiva, em sua agressividade com uma arma branca, o jovem da Josina Machel pode ter sido o repositório, o veículo inconsciente de uma quádrupla e interligada cultura em curso no país: cultura da violência, cultura da punição, cultura do medo e cultura da impunidade. A este nível há o drama de uma dupla determinação: os impulsos da violência multilateral deixam raízes especiais, os aguilhões. Quando julgamos que os impulsos desapareceram através de acções de profilaxia social, irrompem um dia, veementes, os aguilhões. Este é um dilema à Jano que, geracionalmente, faz parte da nossa história conflitual desde pelo menos o século XVII (aceleração do tráfico de escravos). E que, afinal, espécie de peristalto social, parece habitar por inteiro a atitude do jovem da Josina Machel, atitude que é unicamente a ponta do iceberg.

0 Comments:

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home