O blogue "Diário de um sociólogo" foi seleccionado em 2007 e 2008 pelo júri do The Bobs da Deutsche Welle - concurso internacional de weblogs, podcasts e videoblogs - como um dos dez melhores weblogs em português entre 559 concorrentes (2007) e um dos onze melhores entre 400 concorrentes (2008). Entrevista sobre o concurso de 2008 no UOL, AQUI.
Para todas aquelas e todos aqueles que visitarem este diário, os meus votos de um 2017 habitado pelo futuro, pela confiança, pela tranquilidade e pela saúde. Sintam-se bem e regressem sempre a este espaço criado a 18 de Abril de 2006. Abraço índico.
Myspace Layouts

21 abril 2015

Xenofobia e shangaanfobia: história e estereótipos na África do Sul e em Moçambique (2)

"Do rio que tudo arrasta, diz-se que é violento. Mas ninguém chama violentas às margens que o comprimem. " [Bertolt Brecht]
Segundo número da série. Entro de imediato no primeiro ponto do sumário proposto no número inaugural, a saber: 1. Sobre analisar. Vão seguir-se nesta série algumas hipóteses de análise do delicado problema da xenofobia. É frequente confundir análise com tomada de posição sobre um determinado fenómeno, com postura normativa, com juízo de valor. Por isso acho sensato recordar um texto postado neste diário anteontem, a saber: "Quando um médico manda fazer um raio x a um paciente que tem um problema num determinado órgão interno, não tem por preocupação saber se esse órgão é bom ou mau, feio ou bonito, mas saber o que o afecta para, depois, iniciar a terapia. A função dos estudantes do social é um pouco como a dos médicos: consiste em analisar fenómenos, vasculhar as suas cavidades, encontrar causas e consequências, podendo acontecer que os decisores (que não são eles) tomem medidas na sequência dos resultados obtidos. Portanto, a sua função não consiste em saber se os fenómenos são bons ou mais, feios ou bonitos. Estudantes do social são obviamente cidadãos e cidadãos são regidos por princípios e regras morais, diferentes que uns e outras sejam. Mas quando estudam fenómenos sociais fazem-no (ou devem fazê-lo) como estudantes e não como cidadãos. Nenhuma ciência é possível quando se confunde estudo e moral e se pede àquele que seja esta. Ou vice-versa. O ser não é o dever ser, o juízo de facto não é (ou não deve ser) o juízo de valor. Analisar não significa estar de acordo ou em desacordo com o que quer que seja. Este é, hoje ainda, um dos maiores desafios da história científica da humanidade." Aqui.

0 Comments:

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home