O blogue "Diário de um sociólogo" foi seleccionado em 2007 e 2008 pelo júri do The Bobs da Deutsche Welle - concurso internacional de weblogs, podcasts e videoblogs - como um dos dez melhores weblogs em português entre 559 concorrentes (2007) e um dos onze melhores entre 400 concorrentes (2008). Entrevista sobre o concurso de 2008 no UOL, AQUI.
Para todas aquelas e todos aqueles que visitarem este diário, os meus votos de um 2018 habitado pelo futuro, pela confiança, pela tranquilidade e pela saúde. Sintam-se bem e regressem sempre a este espaço criado a 18 de Abril de 2006. Abraço índico.
Myspace Layouts

10 maio 2017

Os três grupos de elementos dos partidos

Existem em António Gramsci muitos materiais, em meu entender excelentes, para podermos fazer um dia a história dos nossos partidos políticos. Por exemplo, escreveu que a existência de um partido político depende da confluência de três grupos de elementos: [sublinhados meus, CS]
1. "Um elemento difuso, de homens comuns, médios, que oferecem como participação a sua disciplina e a sua fidelidade, mas não o espírito de criação e de alta responsabilidade. Sem eles o partido não existiria, mas também é verdade que o partido não existiria "unicamente" com eles."
2. "O elemento coesivo principal, que centraliza a nível nacional, que faz tornar eficiente e potente um conjunto de forças que, entregues a si, não contariam nada, ou contariam pouco, é um elemento dotado de força altamente coesiva, centralizadora e disciplinadora (...): é também verdade que, sozinho, este elemento não formaria o partido. No entanto, formá-lo-ia mais do que o primeiro elemento considerado."
3. "Um elemento médio, que articula o primeiro com o segundo elemento, que os põe em contacto, não só "físico", mas moral e intelectual."
Finalmente, escrevendo sobre os partidos de massas e sobre estas: "(....) massas que, como massas, não têm outra função política senão a de uma fidelidade genérica, de tipo militar, a um centro político visível ou invisível (...). A massa é simplesmente uma massa de "manobra" e é ocupada com prédicas morais, com tiradas sentimentais, com mitos messiânicos de espera de idades fabulosas, em que todas as presentes contradições e misérias serão automaticamente resolvidas e sanadas." [Gramsci, António, Obras escolhidas. Lisboa: Editorial Estampa, 1974, vol. I, pp. 286-287, 290-291].

0 Comments:

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home