O blogue "Diário de um sociólogo" foi seleccionado em 2007 e 2008 pelo júri do The Bobs da Deutsche Welle - concurso internacional de weblogs, podcasts e videoblogs - como um dos dez melhores weblogs em português entre 559 concorrentes (2007) e um dos onze melhores entre 400 concorrentes (2008). Entrevista sobre o concurso de 2008 no UOL, AQUI.
Para todas aquelas e todos aqueles que visitarem este diário, os meus votos de um 2016 habitado pelo futuro, pela confiança, pela tranquilidade e pela saúde. Sintam-se bem e regressem sempre a este espaço criado a 18 de Abril de 2006. Abraço índico.
Myspace Layouts
<div style="background-color: none transparent;"><a href="http://www.rsspump.com/?web_widget/rss_ticker/news_widget" title="News Widget">News Widget</a></div>

03 julho 2016

Guerra e hermenêutica das valas comuns em Moçambique [15]

Número anterior aqui. Finalizo o quarto ponto do sumário [recorde-o aqui], a saber: 4. Espectáculo viral das fotos. Trata-se agora de escrever um pouco sobre as fotos atribuídas aos corpos a céu aberto, sobre a enunciação veemente do trágico. Com veemência e insistência, surgiram na internet dezenas de fotos mostrando cadáveres a céu aberto, em decomposição, uns já reduzidos a ossos, nas mais variadas posições, uns de borco, outros deitados de costas. Os autores de certos portais exploraram intensamente esta modalidade de crime, depois que não surgiu a vala dos 120 corpos de Sofala [confira fotos por exemplo aqui]. Em jornais, páginas das redes sociais e blogues do copia/cola/mexerica, aos locais onde os corpos a céu aberto foram encontrados deu-se imediatamente o estatuto de valas comuns. Não tendo aparecido a vala dos 120, aqui e acolá escreveu-se que isso não era relevante já que havia os corpos a descoberto, que não importava a quantidade, mas a presença indesmentível dos corpos, fossem quantos fossem, mais de 20 para uns, 15 para outros, 11 para outros ainda. Pouco faltou para certos círculos defenderem que Moçambique estava transformado num cemitério de insepultos. E não poucas vezes tentou-se, de forma explícita ou implícita, associar os cadáveres à presença nos locais de forças de segurança governamentais, como se - imputação desejada por certos círculos - elas fossem responsáveis pelo morticínio.

0 Comments:

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home