O blogue "Diário de um sociólogo" foi seleccionado em 2007 e 2008 pelo júri do The Bobs da Deutsche Welle - concurso internacional de weblogs, podcasts e videoblogs - como um dos dez melhores weblogs em português entre 559 concorrentes (2007) e um dos onze melhores entre 400 concorrentes (2008). Entrevista sobre o concurso de 2008 no UOL, AQUI.
Para todas aquelas e todos aqueles que visitarem este diário, os meus votos de um 2017 habitado pelo futuro, pela confiança, pela tranquilidade e pela saúde. Sintam-se bem e regressem sempre a este espaço criado a 18 de Abril de 2006. Abraço índico.
Myspace Layouts
<div style="background-color: none transparent;"><a href="http://www.rsspump.com/?web_widget/rss_ticker/news_widget" title="News Widget">News Widget</a></div>

10 abril 2015

Sobre o debate neste momento na Assembleia da República

Está duro, muito duro, o debate neste momento na Assembleia da República entre deputados da Frelimo e da Renamo a propósito do Programa Quinquenal do Governo. Permitam-me recordar um texto divulgado a 10 de Outubro de 2010 neste diário:
"Muito interessante verificar como mesmo nas questões mais triviais os deputados da nossa Assembleia da República não conseguem escapar à permanente enunciação dos seus partidos e das suas inumeráveis proclamadas virtudes. Verdadeiras fronteiras políticas do tipo étnico, inamovíveis. No meu livro "Combates pela mentalidade sociológica" e a propósito da "etnicidade" visível na Assembleia da República, escrevi o seguinte:
"(...) as pessoas são diferentes, as suas ideias são diferentes, as suas vidas sociais também. É muito possível que pessoas de cada extracto se contactem fora das fronteiras dos territórios políticos. Mas face a um problema em debate sobre o qual é preciso tomar uma decisão, mesmo que esse problema não seja "de vida ou de morte", as diferenças são regra geral apagadas em favor da delimitação instintiva das fronteiras do território partidário e o apontar dos canhões para os territórios partidários inimigos. Pessoas que são calmas tornam-se nervosas; pessoas nervosas tornam-se mais nervosas; pessoas que em outras circunstâncias não bateriam palmas, não troçariam, não vituperariam, não alça­riam ombros, não teriam tão intenso dispêndio corporal e afectivo, batem palmas, troçam, vituperam, alçam ombros, mexem-se e zangam-se. Colidem gramáticas corpo-emocionais, anátemas, estigmas, ameaças, idiomas grupuais; entrechocam símbolos, heróis epónimos, bandeiras, representações sociais, histórias edificantes sobre as comunidades espirituais de origem, requisitos e hábitos culturais, componentes específicas de honra étnica; expectativas tornam-se práticas na confrontação, actualizam-se, determinam-se. [...] federam-se à sombra do partido X para lutar contra outras formações com uma composição "étnica" idêntica, mesmo que individualmente sintam que os outros têm razão e que em outras circunstâncias se empenhariam em ser ou fazer o que gostariam de ser ou fazer. E essa polaridade pode nascer mesmo em torno duma modesta estrada que não foi construída ou que se o foi, é suposto tê-lo sido mal.
Adenda: fascinante o recurso permanente ao termo "excelência", fascinante o tom apologético (e a sedução das estatísticas), com se cada bancada apenas falasse para si. Vamos a ver se surge um dia uma antropologia das formas de vida e comunicação na Assembleia da República." Aqui.

0 Comments:

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home