O blogue "Diário de um sociólogo" foi seleccionado em 2007 e 2008 pelo júri do The Bobs da Deutsche Welle - concurso internacional de weblogs, podcasts e videoblogs - como um dos dez melhores weblogs em português entre 559 concorrentes (2007) e um dos onze melhores entre 400 concorrentes (2008). Entrevista sobre o concurso de 2008 no UOL, AQUI.
Para todas aquelas e todos aqueles que visitarem este diário, os meus votos de um 2016 habitado pelo futuro, pela confiança, pela tranquilidade e pela saúde. Sintam-se bem e regressem sempre a este espaço criado a 18 de Abril de 2006. Abraço índico.
Myspace Layouts
<div style="background-color: none transparent;"><a href="http://www.rsspump.com/?web_widget/rss_ticker/news_widget" title="News Widget">News Widget</a></div>

29 julho 2016

Estão as línguas nacionais em perigo?

Três linguistas – Cristine Severo do Brasil, Bento Sitoe de Moçambique e José Pedro de Angola – aceitaram responder à seguinte pergunta: estão as línguas nacionais em perigo?
Não, não estão em perigo, não há risco de linguacídio, respondem no geral os três. Mas podem estar no caso de absolutização de uma língua.
Em países como Brasil, Moçambique e Angola, por exemplo, onde são muitas as línguas e as variantes, estamos confrontados com duas faces, as faces do Jano linguístico, as faces de uma dialéctica delicada: por um lado, os desafios da unidade nacional levam à verticalidade, ao privilegiamento veicular de uma língua, a portuguesa; por outro lado, os desafios da endogeneização conduzem à busca da horizontalidade, da paridade linguística. A exclusão linguística é, hoje, um tema sector nos quadrantes linguísticos.
Entretanto, para lá dos múltiplos desafios que os países enfrentam, tem vida permanente a mestiçagem linguística.
No dia-a-dia, das mais variadas maneiras, as línguas estão cheias de pontes, de portas abertas, de multiplicidade, de absorção, de reinvenções.
No informal da vida, não são nem tradicionais nem modernas. Crioulizadas, estão cheias de duplicidade, de oximoros, de antónimos, de quiasmos, são uma subversão contínua do mundo identitário dos verbos, dos predicados, dos substantivos e dos advérbios. Os verbos estão constantemente a resgatar o devir, bloqueando o ser dos substantivos. O oximoro e a inversão argumentativa são correntes.
Talvez esse possa, um dia, vir a ser um tema na nossa colecção. [introdução minha ao livro com o título em epígrafe e capa abaixo, sinopse aqui; lembre este vídeo aqui]

0 Comments:

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home