O blogue "Diário de um sociólogo" foi seleccionado em 2007 e 2008 pelo júri do The Bobs da Deutsche Welle - concurso internacional de weblogs, podcasts e videoblogs - como um dos dez melhores weblogs em português entre 559 concorrentes (2007) e um dos onze melhores entre 400 concorrentes (2008). Entrevista sobre o concurso de 2008 no UOL, AQUI.
Para todas aquelas e todos aqueles que visitarem este diário, os meus votos de um 2017 habitado pelo futuro, pela confiança, pela tranquilidade e pela saúde. Sintam-se bem e regressem sempre a este espaço criado a 18 de Abril de 2006. Abraço índico.
Myspace Layouts
<div style="background-color: none transparent;"><a href="http://www.rsspump.com/?web_widget/rss_ticker/news_widget" title="News Widget">News Widget</a></div>

11 outubro 2015

Reconstrução social da figura de Dhlakama [9]

Nono número da sérieSugeri aqui três aspectos a ter em conta na reconstrução social da figura de Dhlakama: 1. Questionamento eleitoral, 2. Rebelião política e 3. Cesarismo messiânico. Finalizo o terceiro aspecto, o que significa finalizar esta série. Cresceu a lenda do herói que se transforma em ave. Ou, noutra formulação, a lenda do messias, como se proclama em páginas de certas redes sociais digitais de admiradores e seguidores de Dhlakama. Mais decisivamente, o que parece ter-se enraizado em certo imaginário do país é a crença de que Dhlakama é um vencedor permanente, que luta sem pausa, que sempre vence os poderosos do governo central de Maputo, que sabe sacrificar-se indo para o mato. É nesse sentido que o exército privado de Dhlakama é legitimado. O que sucedeu no passado, o que a Renamo fez no passado, nada disso agora interessa. As mentes jovens já esqueceram a história, se é que algum dia a souberam verdadeiramente. As multidões que cercam Dhlakama são formadas por muita gente jovem, aparentemente dos escalões mais pobres do país. É nesse alfobre que o discurso cesarista, populista e messiânico do presidente da Renamo ganha espaço e crédito, oscilando entre dois registos primários: o de que vai trazer ordem ao país [preste atenção ao que ele manda fazer aqui] e o de que vai trazer desenvolvimento para o povo. A história da Frelimo comunista - expressão comum nele - ficará para trás, o futuro parúsico é com ele. Uma das suas mais recentes frases é esta: "Tudo o que faço é por este povo pé descalço". Termino recordando o que ficou registado no primeiro número desta série: ontem classificado como criação estratégica do racismo e do apartheid e artífice da destruição e da morte, Dhlakama é hoje glorificado em certos sectores como herói messiânico. Ele próprio gosta de dizer que é o pai da democracia e que lutou para libertar o país. Aqui.

0 Comments:

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home