O blogue "Diário de um sociólogo" foi seleccionado em 2007 e 2008 pelo júri do The Bobs da Deutsche Welle - concurso internacional de weblogs, podcasts e videoblogs - como um dos dez melhores weblogs em português entre 559 concorrentes (2007) e um dos onze melhores entre 400 concorrentes (2008). Entrevista sobre o concurso de 2008 no UOL, AQUI.
Para todas aquelas e todos aqueles que visitarem este diário, os meus votos de um 2017 habitado pelo futuro, pela confiança, pela tranquilidade e pela saúde. Sintam-se bem e regressem sempre a este espaço criado a 18 de Abril de 2006. Abraço índico.
Myspace Layouts

14 outubro 2015

O homem não nasce livre, mas pode tornar-se livre

Crescemos sob o influxo permanente da necessidade de obedecer, sob o risco da punição. Tornamo-nos adultos formatados em múltiplos deuses e espíritos internos, protectores poucos, vingativos muitos. Aprendemos a ter dois tipos de polícias: aqueles que, físicos, estão fora de nós e aqueles que, simbólicos, estão dentro de nós. Na maior parte das vezes, estes dispensam aqueles, seus chambocos imateriais são eficientes. Somos o produto de tradições conformadoras que nos habitam sem que, na maior parte das vezes, saibamos da sua existência. A regra que nos atravessa em permanência é esta: obedece. Seus lictores são múltiplos. Desobedecer, ir contra a maré do conformismo, das regras oficiais, aprender a pensar de forma independente, opôr-se aos pasteurizadores do pensamento acomodante, nada disso é fácil. É absolutamente difícil. O homem nasceu livre, escreveu um dia Jean-Jacques Rousseau. Muito certamente estava e está errado. Nascer é nascer para a sujeição. O homem não nasce livre, mas pode tornar-se livre. A liberdade não é um dado natural, mas social. Ter consciência disso é um primeiro indicador de liberdade e, talvez, a primeira porta aberta da democracia.

0 Comments:

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home