O blogue "Diário de um sociólogo" foi seleccionado em 2007 e 2008 pelo júri do The Bobs da Deutsche Welle - concurso internacional de weblogs, podcasts e videoblogs - como um dos dez melhores weblogs em português entre 559 concorrentes (2007) e um dos onze melhores entre 400 concorrentes (2008). Entrevista sobre o concurso de 2008 no UOL, AQUI.
Para todas aquelas e todos aqueles que visitarem este diário, os meus votos de um 2017 habitado pelo futuro, pela confiança, pela tranquilidade e pela saúde. Sintam-se bem e regressem sempre a este espaço criado a 18 de Abril de 2006. Abraço índico.
Myspace Layouts
<div style="background-color: none transparent;"><a href="http://www.rsspump.com/?web_widget/rss_ticker/news_widget" title="News Widget">News Widget</a></div>

14 maio 2015

Cinco condições de paz política em Moçambique (16)

"Em 1970, quando os três astronautas da Apollo 13 estavam tentando descobrir como levar sua nave danificada de volta para a terra, eles estavam envolvidos em um jogo claramente de soma não zero, porque o resultado seria igualmente bom para todos eles ou ruim para todos eles." [aqui]
Décimo sexto número da série. Permaneço no terceiro ponto do sumário proposto aqui, a saber: 3. Cinco condições de paz política em Moçambique, finalizando o último subponto da série, a saber: 3.5. Luta por uma justiça mais horizontal nas relações internacionais. Sugeri no número anterior uma verdade à La Palice: quanto mais fraco for um país, mais atreito ele é às convulsões políticas e à dependência externa. E recordei que, há dias, de forma emblemática, o nosso ministro das Finanças disse o seguinte: "Enquanto estivermos vivos vamos ter que pedir dinheiro emprestado". Ora, parece ser sensato admitir que um país é tão mais forte quão mais possui internamente as condições para a reprodução da sua autonomia, combinando matérias-primas e indústria pesada. A ausência dessa base fragiliza a paz política, favorece as pressões económicas e políticas externas e dificulta a distribuição interna dos recursos de poder e prestígio. O nosso país deve, absolutamente, evitar habituar-se a caminhar pela vereda fatalista indicada pelo ministro das Finanças. Uma das possibilidades consiste em repensar o modelo de produção e redistribuição da riqueza social. É nesse sentido que vale sempre a pena ter em conta a bola de Mbonimpa, referida no número 2 desta série, aqui.

0 Comments:

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home