O blogue "Diário de um sociólogo" foi seleccionado em 2007 e 2008 pelo júri do The Bobs da Deutsche Welle - concurso internacional de weblogs, podcasts e videoblogs - como um dos dez melhores weblogs em português entre 559 concorrentes (2007) e um dos onze melhores entre 400 concorrentes (2008). Entrevista sobre o concurso de 2008 no UOL, AQUI.
Para todas aquelas e todos aqueles que visitarem este diário, os meus votos de um 2017 habitado pelo futuro, pela confiança, pela tranquilidade e pela saúde. Sintam-se bem e regressem sempre a este espaço criado a 18 de Abril de 2006. Abraço índico.
Myspace Layouts

31 janeiro 2014

Feitos e virtudes

Verdadeiramente notável o veemente debate que se trava em certos círculos do país sobre feitos e virtudes, apaixonados uns por seus deuses profanos, sedentos outros de deuses diferentes. Todos, enfim, à procura de seus grandes homens e de suas grandes mulheres, num verdadeiro exercício de religiosidade profana.

Postagens na forja

Eis alguns dos temas que, progressivamente, deverão entrar neste diário a partir da meia-noite local:
Séries pessoais: Ritos de iniciação/aldeia Assumane/Niassa/2013 (5); Culto aos presidentes (5); A guerra psicológica na possível guerra no país (4); Espírito do deixa-falar (10); Politizar cientificando: autárquicas Moçambique 2013 (15); Propaganda eleitoral pelo vestuário (8); Discursos presidenciais e escritores-fantasmas em Moçambique (3); Da purificação das fileiras à purificação das ideias (4); Luta política: a Pasárgada da Renamo (21); A cova não está em Muxúnguè (29); Por que os médicos venceram? (21); Vídeosocial de Maputo (4); A raça das raças (7); Desunidos e unidos (5); O poder de nomear desviantes e vândalos (15); Sobre o 15 de Novembro (19); Produção de pobreza teórica (8); O discurso da identidade nacional (12); Como suster os linchamentos? (17); O que é um intelectual? (14); Democracia formal e prescrição hipnótica (9); A carne dos outros (23); A difícil fórmula da distribuição de consensos (49); Modos de navegação social (22); Ditos (76); O que é Moçambique, quem são os Moçambicanos? (102)

A "hora do fecho" do "Savana"

Na última página do semanário "Savana" existe sempre uma coluna de saudável ironia que se chama "Na hora do fecho". Naturalmente que é necessário conhecer um pouco a alma da vida local para se saber que situações e pessoas são descritas. Segue-se um extracto da peça inteira da edição 1047 que pode ser lida amanhã neste diário:

Amanhã neste diário

Compre e coleccione, muitos outros números virão

Estão à venda também na cidade de Maputo os livros com as capas abaixo, primeiro e segundo números da coleção "Cadernos de Ciências Sociais":
Brevemente também à venda o terceiro número, com a capa abaixo:
No prelo, também, o quarto número com o título "Que arquitectura nos países em desenvolvimento?" (autores: Júlio Carrilho de Moçambique, Niara Palma do Brasil e António Baptista Coelho de Portugal). Números em preparação com os seguintes temas-perguntas: O que é racismo?Literatura: neutra ou engajada?Direito e Justiça: antónimos ou sinónimos?O que é saúde mental?O que é violência socialO que são tradições?
A coleção "Cadernos de Ciências Sociais" pretende dar respostas a perguntas simples sobre temas complexos da vida social, com textos combinando simplicidade e rigor de autores de vários quadrantes do imenso mundo falante de português. Nela apresentarei alguns dos grandes cientistas e intelectuais de ramos diversos que escrevem nessa língua no planeta, inscritos num fórum da coleção que cresce dia após dia.

Renamo e fiscais eleitorais

Segundo o "Wamphula fax" de hoje, através do seu delegado em Nampula a Renamo reafirmou que vai participar nas eleições gerais previstas para Outubro, estando a preparar fiscais para o efeito. Entretanto, segundo um jornalista do "Diário da Zambézia", nada disso ocorre na Zambézia. As províncias de Nampula e Zambézia são as mais populosas do país.

Pacheco, Vaquina e Nyussi

Ritos de iniciação/aldeia Assumane/Niassa/2013 (4)

Quarto número da série - fotos enviadas por A. Katawala, tiradas entre Outubro e Novembro do ano passado. Sugiro confira o debate neste diário a propósito de ritos de iniciação feminina no distrito de Muidumbe, província de Cabo Delgado, comentados por Nilsa Domingos, aqui.
(continua)

30 janeiro 2014

Trabalho e necessariamente

Há termos sistemáticos nos discursos oficiais, do género: "Há um trabalho que está a ser feito" (algumas vezes com recurso ao gerúndio "está sendo feito"), "A solução passa necessariamente pela..."
Adenda às 20:02: uma análise de conteúdo poderia confirmar a frequência da palavra "trabalho" nas intervenções dos porta-vozes da polícia e a frequência da palavra "necessariamente" nas intervenções mais laudatórias de certos deputados da Assembleia da República.

Postagens na forja

Eis alguns dos temas que, progressivamente, deverão entrar neste diário a partir da meia-noite local:
Séries pessoais: Ritos de iniciação/aldeia Assumane/Niassa/2013 (4); Culto aos presidentes (5); A guerra psicológica na possível guerra no país (4); Espírito do deixa-falar (10); Politizar cientificando: autárquicas Moçambique 2013 (15); Propaganda eleitoral pelo vestuário (8); Discursos presidenciais e escritores-fantasmas em Moçambique (3); Da purificação das fileiras à purificação das ideias (4); Luta política: a Pasárgada da Renamo (21); A cova não está em Muxúnguè (29); Por que os médicos venceram? (21); Vídeosocial de Maputo (4); A raça das raças (7); Desunidos e unidos (5); O poder de nomear desviantes e vândalos (15); Sobre o 15 de Novembro (19); Produção de pobreza teórica (8); O discurso da identidade nacional (12); Como suster os linchamentos? (17); O que é um intelectual? (14); Democracia formal e prescrição hipnótica (9); A carne dos outros (23); A difícil fórmula da distribuição de consensos (49); Modos de navegação social (22); Ditos (76); O que é Moçambique, quem são os Moçambicanos? (102)

Situação política no país

Confira o Moçambique 240, editado por Joseph Hanlon, desdobrado em dois números, contendo vários textos e documentos sobre a situação política no país, baixáveis aqui e aqui.

Crise analítica das crises políticas

“Nenhuma sociedade progrediu sem fazer a sua própria crítica, sem que os seus criadores e pensadores se metessem contra a corrente dos bem-pensantes (…) África tem necessidade de imprecadores.” (Henri Lopès, Mes trois identités, in Kandé, Sylvie (dir), Discours sur le métissage, Identités métisses, En quête d´Ariel. Paris: L´Harmattan, 1999, pp. 141-142)
Há um debate sobre se o Comité Central da Frelimo pode ou não propôr outros nomes além dos três indicados (ao que parece de forma definitiva) pela Comissão Política. Há páginas no Facebook com nomes alternativos propostos por círculos anónimos de opinião do país.
O fenómeno tem provocado dois tipos de reacção: a reacção daqueles que defendem haver uma crise em gestação e, até, já, a possibilidade de uma fractura na Frelimo segundo uns, a possibilidade de uma Frelimo já em processo de dissolução segundo outros; e a reacção daqueles que, severamente uns, moderamente outros, criticam os críticos.
Ainda que por caminhos diferentes, uns e outros vivem acantonados num mesmo princípio, o sacrossanto e substancialista princípio da identidade absoluta, da identidade monárquica, a saber: uma coisa só pode ser ela e não também outra, a lógica formal em sua cristalina pureza, o pitagorismo do Uno indivisível.
Uns pressagiam e desejam a crise, outros temem-na ou julgam-na impossível; uns gostariam de ver a Frelimo em crise definitiva, outros acham isso historicamente antinatural, historicamente impossível. Ambos as trincheiras fazem a defesa da realeza decisória, nadam no mesmo rio no qual a água é a crise doentia, a concepção epidemiológica de crise, a crise como doença a combater.
Por regra pensamos em crise enquanto fenómeno de regressão, enquanto doença, enquanto metástase. Não é a febre um exemplo de saúde afectada? Estar em crise significa, para todos ou quase todos nós, estar mal. Eis exemplos correntes em certos círculos: os valores morais estão em crise, a cultura está em crise, a economia está em crise, o futebol está em crise, a Renamo está em crise, etc.
Porém, crise pode, também, significar, saúde, evolução, vitalidade. No caso dos partidos políticos, quanto mais alternativas analíticas houver, quanto mais possibilidade de escolha de dirigentes houver, quanto mais pluralidade crítica houver, quanto mais debate sobre isso houver, interno e externo, mais rica e desejável é a "crise", maior é o potencial de genuína democracia em curso, maior é a qualidade do crescimento partidário.
Então, em lugar de vermos a crise nos partidos, vejamo-la nos analistas, pensemos, antes, numa real crise analítica, na necessidade de fazer cair a monarquia em favor da república analítica.

Ritos de iniciação/aldeia Assumane/Niassa/2013 (3)

Terceiro número da série - fotos enviadas por A. Katawala, tiradas entre Outubro e Novembro do ano passado. Sugiro confira o debate neste diário a propósito de ritos de iniciação feminina no distrito de Muidumbe, província de Cabo Delgado, comentados por Nilsa Domingos, aqui.
(continua)

Ranking de fuga de capital ilícito

A África subsariana sofreu o maior fuga de capital ilícito (resultante de crime, corrupção, evasão fiscal e outras actividades) entre 2002 e 2011, segundo uma avaliação do Global Financial Integrity. Entretanto, numa classificação para 144 países na qual China e Rússia ocupam respectivamente o primeiro e segundo lugares, o nosso país foi colocado em 118º lugar. Aqui e aqui. (obrigado ao RC pelo envio da referência)

29 janeiro 2014

Matsinhe e o barulho

Ouvido pela estação televisiva STV para o jornal da noite das 20 horas, o veterano da Frelimo, Mariano Matsinhe, afirmou que pela primeira vez no país deverá haver um candidato presidencial do seu partido que não vem da luta armada de libertação nacional. E acrescentou: "daí este barulho".
Adenda: leia este texto meu aqui.

Postagens na forja

Eis alguns dos temas que, progressivamente, deverão entrar neste diário a partir da meia-noite local:
Séries pessoais: Ritos de iniciação/aldeia Assumane/Niassa/2013 (3); Culto aos presidentes (5); A guerra psicológica na possível guerra no país (4); Espírito do deixa-falar (10); Politizar cientificando: autárquicas Moçambique 2013 (15); Propaganda eleitoral pelo vestuário (8); Discursos presidenciais e escritores-fantasmas em Moçambique (3); Da purificação das fileiras à purificação das ideias (4); Luta política: a Pasárgada da Renamo (21); A cova não está em Muxúnguè (29); Por que os médicos venceram? (21); Vídeosocial de Maputo (4); A raça das raças (7); Desunidos e unidos (5); O poder de nomear desviantes e vândalos (15); Sobre o 15 de Novembro (19); Produção de pobreza teórica (8); O discurso da identidade nacional (12); Como suster os linchamentos? (17); O que é um intelectual? (14); Democracia formal e prescrição hipnótica (9); A carne dos outros (23); A difícil fórmula da distribuição de consensos (49); Modos de navegação social (22); Ditos (76); O que é Moçambique, quem são os Moçambicanos? (102)

Externalizadores

Crise analítica das crises políticas

Negociações e eleições: Joseph Hanlon comenta

Um comentário de Joseph Hanlon a propósito das negociações governo/Renamo e das eleições, publicado no Mozambique 239 com data de ontem: "As discussões têm tido um impasse devido à rigidez dos dois líderes. São necessários mediadores ou observadores que tenham a confiança dos líderes - alguém que possa dizer a Afonso Dhlakama que ele não pode ter tudo o que pede e alguém que possa dizer a Armando Guebuza que ele deve dar alguma coisa. A preocupação real da Renamo é com dinheiro e status - com uma parte dos recursos que estão sendo usados ​​cada vez mais ostensivamente pela elite da Frelimo. Qualquer solução envolverá dinheiro e empregos para a Renamo. Mas a Renamo sempre disse que antes que isso possa ser discutido, deve haver um acordo para lhe dar representação política a todos os níveis do processo eleitoral. Isso será muito mais difícil de recusar após as eleições locais. O Conselho Constitucional reconheceu que os membros da Frelimo na administração eleitoral roubaram a eleição em Gurué, o mesmo aconteceu em Marromeu. E havia abertamente ações políticas pró-Frelimo por parte de funcionários eleitorais na Beira, em Angoche e em outros lugares. Agora será muito mais difícil refutar o argumento da Renamo de que ela deve ter representação política equivalente dentro da máquina eleitoral." (tradução minha, CS)
Comentário às 07:50: podemos não estar de acordo com Hanlon, mas acredito que saberemos reconhecer que o seu comentário é uma boa vacina contra os as declarações majestosas e nefelibatas que, aqui e acolá, dos textos canónicos aos textos fura-vidas digitais, passam a mensagem de que a paz se obtém com a paz, em processos estrangeiros ao controlo dos recursos de poder e prestígio.

Ritos de iniciação/aldeia Assumane/Niassa/2013 (2)

Segundo número da série - fotos enviadas por A. Katawala, tiradas entre Outubro e Novembro do ano passado. Sugiro confira o debate neste diário a propósito de ritos de iniciação feminina no distrito de Muidumbe, província de Cabo Delgado, comentados por Nilsa Domingos, aqui.
(continua)

ONG Power Point

Duplo constrangimento

28 janeiro 2014

Linchados em Zóbuè/Moatize/Tete

Dois indivíduos foram linchados por populares no posto administrativo de Zóbuè, distrito de Moatize, província de Tete. Aqui. Há dias, também houve linchamentos na periferia da cidade de Maputo. Aqui e aqui. Tente ler os livros com as capas mostradas a seguir:

Postagens na forja

Eis alguns dos temas que, progressivamente, deverão entrar neste diário a partir da meia-noite local:
Séries pessoais: Ritos de iniciação/aldeia Assumane/Niassa/2013 (2); Culto aos presidentes (5); A guerra psicológica na possível guerra no país (4); Espírito do deixa-falar (10); Politizar cientificando: autárquicas Moçambique 2013 (15); Propaganda eleitoral pelo vestuário (8); Discursos presidenciais e escritores-fantasmas em Moçambique (3); Da purificação das fileiras à purificação das ideias (4); Luta política: a Pasárgada da Renamo (21); A cova não está em Muxúnguè (29); Por que os médicos venceram? (21); Vídeosocial de Maputo (4); A raça das raças (7); Desunidos e unidos (5); O poder de nomear desviantes e vândalos (15); Sobre o 15 de Novembro (19); Produção de pobreza teórica (8); O discurso da identidade nacional (12); Como suster os linchamentos? (17); O que é um intelectual? (14); Democracia formal e prescrição hipnótica (9); A carne dos outros (23); A difícil fórmula da distribuição de consensos (49); Modos de navegação social (22); Ditos (76); O que é Moçambique, quem são os Moçambicanos? (102)

Ruaportagem em Luanda

"[...] lançaremos o EP Ruaportagem do grupo Artigo 9.0, um Ep que temos vindo a trabalhar há quase 3 anos e que só esse ano finalmente vamos poder metê-lo nas ruas e esperamos que seja bem recebido porque estamos a trabalhar muito nisto, estamos a depositar aqui nossas energias e nosso total empenho.
Fala-nos deste EP
O EP Ruaportagem é uma abordagem das ruas, os problemas da população, o modo de vida dos cidadãos, as diferentes maneiras de encarar e sobreviver a vida, os sacrifícios do dia-dia, é um olho das câmera nas ruas de Luanda, e toda sociedade envolvente." Aqui.

Consequência das relações

Atribuímos aos seres humanos um fundo inato de violência, de religiosidade, de amor filial, de respeito, etc. Depois, por simples processo dedutivo, limitamo-mos a enumerar a sua morfologia, as suas características. Se atacarmos estas características, podemos atenuar os males, podemos mesmo sonhar que um dia viveremos num mundo impoluto, estrangeiro à maldade - assim acreditam muitos. Por outras palavras, fazemos das consequências das relações sociais as suas causas. Bem mais complicado é estudar (e aceitar como dado de partida) as condições sociais que geram os comportamentos que transformamos em consequências, bem mais difícil é transformar a violência não num fundo inerente aos seres humanos, mas numa consequência das relações nas quais estamos inseridos, relações que simultaneamente construímos e nos constroem.

Confira a posição atribuída a Moçambique

Confira aqui e aqui. Se quiser ampliar o mapa, clique sobre ele com o lado esquerdo do rato.

Não com o pensamento em si

27 janeiro 2014

Tecnologia militar italiana em Maputo

Navios de guerra italianos estão no porto de Maputo: "No grande pavilhão do porta-aviões, a exposição "Um país em movimento" promove, sobretudo, e através de grandes cartazes, a tecnologia militar italiana: mísseis, helicópteros, navios de guerra, armas ligeiras e pesadas, de grandes empresas, como Beretta, Finmecanica e Ficantieri. ["Andamos a mostrar as nossas capacidades. Quem as vir e estiver interessado pode dirigir-se a Itália, que bate na porta certa, e comprar, admitindo que sejam países que possam comprar [armamento] em Itália", concluiu Treu."
Comentário: num momento em que o país vive uma situação político-militar delicada, é evidente que não são as gôndolas de Veneza que estão expostas nos barcos italianos.
Adenda às 21:30: quero acreditar que nunca teremos no país algo parecido com Maputosatory.

Ritos de iniciação/aldeia Assumane/Niassa/2013 (1)

Fotos enviadas por A. Katawala, tiradas entre Outubro e Novembro do ano passado. Sugiro confira o debate neste diário a propósito de ritos de iniciação feminina no distrito de Muidumbe, província de Cabo Delgado, comentados por Nilsa Domingos, aqui.
(continua)

Cibertsunamis

Correm interneticamente informações sobre os mais variados tipos de fenómenos no país. São cibertsunamis em bruto. A credulidade parece ser enorme. Mas quem assegura a credibilidade das informações? Jornais digitais do despacha-rápido e blogues do copia-cola-mexerica nada perdoam: tudo o que vem à rede é peixe.

Lá no Niassa

Amplie a imagem em epígrafe clicando sobre ela com o lado esquerdo do rato. Em língua yaawokucela significa amanhecer. Sobre a província do Niassa, aqui.

Postagens na forja

Eis alguns dos temas que, progressivamente, deverão entrar neste diário a partir da meia-noite local:
Séries pessoais: Culto aos presidentes (5); A guerra psicológica na possível guerra no país (4); Espírito do deixa-falar (10); Politizar cientificando: autárquicas Moçambique 2013 (15); Propaganda eleitoral pelo vestuário (8); Discursos presidenciais e escritores-fantasmas em Moçambique (3); Da purificação das fileiras à purificação das ideias (4); Luta política: a Pasárgada da Renamo (21); A cova não está em Muxúnguè (29); Por que os médicos venceram? (21); Vídeosocial de Maputo (4); A raça das raças (7); Desunidos e unidos (5); O poder de nomear desviantes e vândalos (15); Sobre o 15 de Novembro (19); Produção de pobreza teórica (8); O discurso da identidade nacional (12); Como suster os linchamentos? (17); O que é um intelectual? (14); Democracia formal e prescrição hipnótica (9); A carne dos outros (23); A difícil fórmula da distribuição de consensos (49); Modos de navegação social (22); Ditos (76); O que é Moçambique, quem são os Moçambicanos? (102)

Cesarismo

O cesarismo tem sempre a ver com decisões imediatas, arbitrárias, digamos que instintivas. O seu meio é, regra geral, exterior às instituições, à normalidade legal. Três hipóteses:
1. O cesarismo não requer caudilhos militares. O césar da actualidade, o neo-césar pode habitar o corpo de um líder vestido de democrata.
2. O cesarismo é tão mais forte e recorrente quanto mais fraca for a estrutura institucional de um país e mais reverentes, acríticas e temerosas forem as pessoas ante poderes e chefes.
3. Todos os partidos políticos têm doses mais ou menos fortes de cesarismo.

No "Savana" 1046 de 24/01/2014, p. 19

Se quiser ampliar a imagem, clique sobre ela com o lado esquerdo do ratoNota: "Fungulamaso" (abre o olho, está atento, expressão em ShiNhúnguè por mim agrupada a partir das palavras "fungula" e "maso") é uma coluna semanal do semanário "Savana" sempre com 148 palavras na página 19. A Cris, colega linguista, disse-me que se deve escrever Cinyungwe. Tem razão face ao consenso obtido nas consoantes do tipo "y" ou "w". Porém, o aportuguesamento pode ser obtido tal como grafei.
Adenda: também na rubrica Crónicas da minha página na "Academia.edu", aqui.

Primeira-dama da Costa do Marfim

Segundo o "Afrique Intelligence", a primeira-dama da Costa do Marfim, Dominique Ouattara, combina negócios e caridade. Leia aqui.

Sérgio Vieira e o candidato presidencial da Frelimo

"[Savana] A Frelimo anunciou os seus três pré-candidatos para as eleições presidenciais de 15 de Outubro. Dias depois, o Secretário-Geral veio dizer que não haveria outros candidatos para além dos três, o que veio criar divergências no seio da Frelimo e não só. Numa situação em que o Comité Central (CC) é o órgão de decisão nesta matéria, o que tem a comentar sobre isso.
[Sérgio Vieira] Penso que a CP estatutariamente tem o direito de propor candidatos. Assim aconteceu por exemplo antes do 8º Congresso, quando o CC se reuniu e disse que vamos designar o nosso candidato agora. [...] A CP tem o direito de fazer propostas. Agora, não pode, nem a CP, nem sequer o CC, retirar o direito estatutário dos membros de propor candidaturas. Isso é que não pode, não existe. Se é isso o que quis dizer o Secretário-Geral, de alguma maneira cometeu pelo menos lapso de não ter revisto os estatutos." Aqui.

Sinais premonitórios

Quando vivemos problemas, há quem pense que a melhor solução consiste em esconder a cabeça como fazem as avestruzes em momento de perigo. Ou consiste em produzirmos discursos morais condenatórios. Mas também há outra maneira de proceder: consiste em estarmos atentos aos sinais premonitórios, em evitarmos que esses sinais se tornem realidade, em darmos ao futuro a moldura de uma sociedade mais justa, menos propensa à violência social.

26 janeiro 2014

Postagens na forja

Eis alguns dos temas que, progressivamente, deverão entrar neste diário a partir da meia-noite local:
Séries pessoais: Culto aos presidentes (5); A guerra psicológica na possível guerra no país (4); Espírito do deixa-falar (10); Politizar cientificando: autárquicas Moçambique 2013 (15); Propaganda eleitoral pelo vestuário (8); Discursos presidenciais e escritores-fantasmas em Moçambique (3); Da purificação das fileiras à purificação das ideias (4); Luta política: a Pasárgada da Renamo (21); A cova não está em Muxúnguè (29); Por que os médicos venceram? (21); Vídeosocial de Maputo (4); A raça das raças (7); Desunidos e unidos (5); O poder de nomear desviantes e vândalos (15); Sobre o 15 de Novembro (19); Produção de pobreza teórica (8); O discurso da identidade nacional (12); Como suster os linchamentos? (17); O que é um intelectual? (14); Democracia formal e prescrição hipnótica (9); A carne dos outros (23); A difícil fórmula da distribuição de consensos (49); Modos de navegação social (22); Ditos (76); O que é Moçambique, quem são os Moçambicanos? (102)

Ritos de iniciação feminina: o protesto de Nilsa

Na sua página do Facebook, Nilsa Domingos (na imagem à esquerda), que se encontra em Cabo Delgado, escreveu o seguinte: "Ritos de iniciação feminina...ritual que marca a passagem da criança para a fase adulta, participam deste ritual crianças dos seus 8 a 13 anos de idade, e elas aprendem a não dizer não aos homens, aprendem a satisfazer sexualmente os seus homens e a ser submissas aos mesmos, e estas mesmas crianças dois anos após a saída dos ritos são elas que estão a cuidar dos seus filhos...ou seja são crianças a cuidar de crianças ....enfim. [Desafio as entidades competentes a reflectir sobre os direitos das crianças e sobre os direitos sexuais e reprodutivos que estão a ser violados..." Aqui.
Adenda: confira os resultados de uma pesquisa sobre ritos de iniciação no país, aqui.

Culto aos presidentes (4)

Quarto número da série. Prossigo, permanecendo no primeiro ponto do sumário proposto aqui, a saber: 1.Definição do culto político de personalidade. O culto político de personalidade - versão profana dos cultos religiosos -, está a cargo de produtores de marketing político e de cronistas. Esse culto ocorre nos seguintes cinco casos, considerados per si ou, em certas circunstâncias, conjugados em modalidades diversas:
- Democracias hipercapitalistas, nas quais a figura do presidente é tão vital como mercadoria multinegociável quanto Messi, a nova estrela de Hollywood ou o último modelo da Ferrari.
- Sistemas monopartidários de figurino socialista, nos quais os líderes de topo surgem como garantes inquestionáveis de uma prometida parúsia profana.
- Democracias autoritárias de forte concentração nos poderes decisórios presidenciais.
- Quebras de legitimidade política acompanhadas da proliferação de frentes críticas das medidas governamentais.
- Instabilidade social propícia à criação emergencial de líderes cesaristas e à produção de epopeias pessoais politicamente trabalhadas.
Se não se importam, prosseguirei mais tarde.
(continua)
Adenda: sugiro leia dois textos meus intitulados "Culto da personalidade" e "O conflito na produção de heróis em Moçambique" , respectivamente aqui e aqui.

Espíritos, curandeiros e mercado

25 janeiro 2014

Postagens na forja

Eis alguns dos temas que, progressivamente, deverão entrar neste diário a partir da meia-noite local:
Séries pessoais: Culto aos presidentes (4); A guerra psicológica na possível guerra no país (4); Espírito do deixa-falar (10); Politizar cientificando: autárquicas Moçambique 2013 (15); Propaganda eleitoral pelo vestuário (8); Discursos presidenciais e escritores-fantasmas em Moçambique (3); Da purificação das fileiras à purificação das ideias (4); Luta política: a Pasárgada da Renamo (21); A cova não está em Muxúnguè (29); Por que os médicos venceram? (21); Vídeosocial de Maputo (4); A raça das raças (7); Desunidos e unidos (5); O poder de nomear desviantes e vândalos (15); Sobre o 15 de Novembro (19); Produção de pobreza teórica (8); O discurso da identidade nacional (12); Como suster os linchamentos? (17); O que é um intelectual? (14); Democracia formal e prescrição hipnótica (9); A carne dos outros (23); A difícil fórmula da distribuição de consensos (49); Modos de navegação social (22); Ditos (76); O que é Moçambique, quem são os Moçambicanos? (102)

Um porta-aviões no porto de Maputo

Encontra-se no porto de Maputo o porta-aviões italiano Cavour, leia a adenda 2, hoje introduzida, da notícia dada ontem aqui. Foto reproduzida daqui.

Índice Global de Escravidão 2013

Confira aquiaqui, aquiaqui,  aqui e aqui (agradeço ao RC o envio da referência). Clique sobre as imagens com o lado esquerdo do rato para as ampliar.
Observação: infelizmente não consegui saber onde e como foi obtida a informação sobre o nosso país. A moderna escravidão tem várias modalidades e o nosso país ainda não é forte na estatística dessas modalidades. Exemplos de problemas: quantas prostitutas tem o país? Quantas pessoas foram sujeitas a trabalho forçado? Quantas pessoas foram traficadas? Quantas pessoas foram alvo de remoção de órgãos? Quantos casos de casamento forçado houve? Etc.

Laureados Nobel desde 1901 por região

Baixe e leia na íntegra

24 janeiro 2014

Edifícios faustosos

Multiplicam-se os edifícios faustosos no país, governamentais e privados, especialmente na cidade de Maputo.

Postagens na forja

Eis alguns dos temas que, progressivamente, deverão entrar neste diário a partir da meia-noite local:
Séries pessoais: Culto aos presidentes (4); A guerra psicológica na possível guerra no país (4); Espírito do deixa-falar (10); Politizar cientificando: autárquicas Moçambique 2013 (15); Propaganda eleitoral pelo vestuário (8); Discursos presidenciais e escritores-fantasmas em Moçambique (3); Da purificação das fileiras à purificação das ideias (4); Luta política: a Pasárgada da Renamo (21); A cova não está em Muxúnguè (29); Por que os médicos venceram? (21); Vídeosocial de Maputo (4); A raça das raças (7); Desunidos e unidos (5); O poder de nomear desviantes e vândalos (15); Sobre o 15 de Novembro (19); Produção de pobreza teórica (8); O discurso da identidade nacional (12); Como suster os linchamentos? (17); O que é um intelectual? (14); Democracia formal e prescrição hipnótica (9); A carne dos outros (23); A difícil fórmula da distribuição de consensos (49); Modos de navegação social (22); Ditos (76); O que é Moçambique, quem são os Moçambicanos? (102)