O blogue "Diário de um sociólogo" foi seleccionado em 2007 e 2008 pelo júri do The Bobs da Deutsche Welle - concurso internacional de weblogs, podcasts e videoblogs - como um dos dez melhores weblogs em português entre 559 concorrentes (2007) e um dos onze melhores entre 400 concorrentes (2008). Entrevista sobre o concurso de 2008 no UOL, AQUI.
Para todas aquelas e todos aqueles que visitarem este diário, os meus votos de um 2017 habitado pelo futuro, pela confiança, pela tranquilidade e pela saúde. Sintam-se bem e regressem sempre a este espaço criado a 18 de Abril de 2006. Abraço índico.
Myspace Layouts
<div style="background-color: none transparent;"><a href="http://www.rsspump.com/?web_widget/rss_ticker/news_widget" title="News Widget">News Widget</a></div>

31 dezembro 2011

Sinta


Portal da artista aqui.

Postagens na forja

Eis alguns dos temas que, progressivamente, deverão entrar neste diário a partir da meia-noite local:
* Genéricos: Dossier SAVANA (2) (Edição de 30/12/2011); "À hora do fecho" no "Savana" (edição de 30/12/2011); "Faísca"
* Séries pessoais: Kim Jong-il, multidões, desespero e problemas de análise (3) Apóstolos das rosas de Fontenelle (3); Palavras-tótemes (3); Eleições 2011 e produção de futuro (24); Espíritos, doenças e médicos do invisível (10); Racismos (13); Pasteurização social (18); Sobre a qualidade do ensino em Moçambique (36); Ditos (28); O que é Moçambique, quem são os Moçambicanos? (65)

Prismas

Jornais, rádios e televisões do país escolheram as suas figuras do ano. O interessante não está na escolha, mas na variedade de escolhas, num espectro que vai deste figuras de densidade neutra (desportistas, por exemplo) a figuras de densidade política (dirigentes estatais, Manuel de Araújo, povos dos levantes no norte de África, por exemplo). Um cuidadosa análise de conteúdo dessas escolhas durante os últimos cinco anos, por exemplo, permitiria dizer muito sobre os prismas políticos da nossa imprensa.

Cuamba e Quelimane

Compare as descrições que o "Diário de Moçambique" fez das afluências, dos episódios e dos desfechos nas cerimónias de tomada de posse dos novos edis de Cuamba e Quelimane, aqui e aqui. Depois, compare com as descrições do "Notícias", aqui.

611ª foto (Floral)

"Diário de um fotógrafo", aqui

Eleições 2011 e produção de futuro (23)

O vigésimo terceiro número da série, ainda no quinto ponto do sumário proposto, a saber:
5. Terceira via em Quelimane. Por hipótese, enquanto os funcionários públicos e suas famílias, entre outros tipos de actores, terão votado em Lourenço, os que votaram em Araújo terão sido sobretudo jovens pertencentes aos bairros pobres da cidade de Quelimane, ao casario de macubar, aos viajantes nos táxi-bicicleta, às zonas de mercados, àquele mundo buliçoso, alegre mas inquieto, do tipo mercado do Brandão, com um pé no presente e outro no futuro, jovens sem partido, jovens que estavam indecisos, jovens que podem – alguns – pertencer à Renamo, jovens que podem ainda – alguns – pertencer à Frelimo.
(continua)

Apóstolos da rosa de Fontenelle (2)

O segundo número desta série.
A rosa de Fontenelle que apenas conhece em vida o jardineiro que a trata, acaba, afinal, por considerar que não é só o seu jardineiro que é eterno, eterna é também a espécie que ele tipifica. A rosa está impossibilitada de considerar a caducidade quer das rosas quer dos jardineiros. A rosa entende que a imutabilidade do jardineiro é a regra das coisas na vida.
Todavia, a rosa de Fontenelle é, apenas, o pretexto para eu colocar aqui algumas questões relacionadas com a nossa dificuldade em aceitar que pessoas, coisas e fenómenos estão em permanente transformação.
(continua)

Kim Jong-il, multidões, desespero e problemas de análise (2)

Segundo número desta série. Tentarei colocar algumas hipóteses e salientar alguns clichés a propósito das reacções populares à morte do presidente norte-coreano Kim Jong-il. Mas antes de o fazer, permitam-me sugerir alguns livros e artigos, de conteúdos e prismas muito distintos: Le Bon, Gustave, Psychologie des foules (=Psicologia das multidões). Paris: Quadrige/PUF, 1963; Tarde, Gabriel, Les lois de l'imitation (=As leis da imitação). Paris: Les empêcheurs de penser en ronde/Seuil, 2011; Halbwachs, Maurice, La mémoire collective (=A memória colectiva). Paris: Albin Michel, 1997; Moscovici, Serge, L'âge des foules (A era das multidões). Bruxelles: Éditions Complexe, 1991; Fishbein, Harold (ed.), Peer prejudice and discrimination (Preconceito e discriminação de outrém). Colorado/Oxford: WestViewsPress, 1996. Sugiro igualmente: um texto de Georg Lukács, aqui; um texto sobre um livro de Barbara Demick intitulado Notingh to envy (=Nada a invejar), aqui.
Nota: confira o seguinte título disseminado por muitos portais: Cenas de desespero no funeral de Kim Jong-il. Imagem reproduzida daqui.
(continua)

Como patos sem cabeça

Com o título em epígrafe, um trabalho de Serge Halimi, em espanhol aqui.

Dossier (1) (Edição de 30/12/2011)

Queira consultar a primeira parte de um dossier com peças do semanário "Savana" de 30/12/2011, aqui.
(continua)

30 dezembro 2011

Sinta

Postagens na forja

Eis alguns dos temas que, progressivamente, deverão entrar neste diário a partir da meia-noite local:
* Genéricos: Dossier SAVANA (1) (Edição de 30/12/2011)
* Séries pessoais: Kim Jong-il, multidões, desespero e problemas de análise (2) Apóstolos das rosas de Fontenelle (2); Palavras-tótemes (3); Eleições 2011 e produção de futuro (23); Espíritos, doenças e médicos do invisível (10); Racismos (13); Pasteurização social (18); Sobre a qualidade do ensino em Moçambique (36); Ditos (28); O que é Moçambique, quem são os Moçambicanos? (65)

Edições de 30/12/2011 a entrar

Riscos na internet

Chamo a atenção dos internautas para certos riscos em curso na internet, especialmente nesta época festiva, confira o ThreatCon ao fundo do canto direito deste diário. O nível 1 (normal) de ontem deu origem ao nível 2 (elevado) de hoje.

Empréstimos: China mais que Banco Mundial na África subsariana

Segundo a Fitch Ratings em despacho da Bloomberg, o Export-Import Bank of China concedeu 12,5 bilhões de dólares mais de empréstimos à África subsariana nos últimos dez anos do que Banco Mundial. Por sua vez, a empresa estatal chinesa EXIM emprestou cerca de 67,2 bilhões de dólares à região mais pobre do mundo entre 2001 e 2010, em comparação com 54,7 bilhões de dólares americanos do Banco Mundial. Eis um quadro que favorece países como Gana e Moçambique, assegura a Fitch Ratings. Aqui. Para traduzir, aqui.

610

610 fotografias no "Diário de um fotógrafo", aqui

Eleições 2011 e produção de futuro (22)

O vigésimo segundo número da série, ainda no quinto ponto do sumário proposto, a saber:
5. Terceira via em Quelimane. Enquanto Lourenço Abubacar teve ao seu dispôr a poderosa máquina logística e vários quadros séniores da Frelimo, repetindo os desfiles de pompa de 2008 do ex-edil Pio Matos (12 anos de presidência), Manuel de Araújo rodeou-se de pessoas a pé e de bicicleta, como que recuperando a estratégia do candidato da Renamo em 2008, Latifo Xarifo (obteve 44% dos votos), percorrendo ruas e bairros a pé, explorando os contactos imediatos, porta a porta, casa a casa, mercado a mercado.
Afrontaram-se duas estratégias de mobilização: a motorizada/comicial da Frelimo e a pedestre/bicicleteira do MDM, de um lado a pompa, do outro a modéstia.
(continua)

Kim Jong-il, multidões, desespero e problemas de análise (1)

A morte do presidente norte-coreano Kim Jong-il gerou um título e um tema partilhados por muitos portais, a saber: Cenas de desespero no funeral de Kim Jong-il. Imagem reproduzida daqui.
(continua)

Apóstolos da rosa de Fontenelle (1)

No seu livro Conversas sobre a pluralidade dos mundos (1686) (para traduzir, aqui), o filósofo francês Bernard Le Bovier de Fontenelle dialoga com uma marquesa e refere-se à rosa que não conhece senão um jardineiro, sempre o mesmo jardineiro, no jardim não se lembra jamais de ter visto outro jardineiro. Na memória da rosa, aquele jardineiro é eterno.
(continua)

Cartun de Luscar

2011: declive dos modelos económicos neoliberais

Um trabalho de Hedelberto López Blanch com o título em epígrafe, aqui. Para traduzir, aqui.

29 dezembro 2011

Kim Jong-il, multidões, desespero e problemas de análise

Postagens na forja

Eis alguns dos temas que, progressivamente, deverão entrar neste diário a partir da meia-noite local:
* Genéricos: Diversos
* Séries pessoais: Apóstolos das rosas de Fontenelle (1); Palavras-tótemes (3); Eleições 2011 e produção de futuro (22); Espíritos, doenças e médicos do invisível (10); Racismos (13); Pasteurização social (18); Sobre a qualidade do ensino em Moçambique (36); Ditos (28); O que é Moçambique, quem são os Moçambicanos? (65)

Outro diário

610 fotografias no "Diário de um fotógrafo", aqui

Praia de Wimbe: microsocial em fotografia (20)

O término da série: na bela Praia de Wimbe, cidade de Pemba, capital da província nortenha de Cabo Delgado, um certo microsocial do dia-a-dia captado por Carlos Serra Jr, jurista e ambientalista, que lá esteve em Novembro. Se quiser ampliar a imagem, clique sobre ela com o lado esquerdo do rato.
(fim)

Eleições 2011 e produção de futuro (21)

O vigésimo primeiro número desta série, no quinto ponto do sumário proposto, a saber:
5. Terceira via em Quelimane. Portanto, o MDM – em grande medida produto de cissiparidade política na Renamo - representa a subversão da bipolarização partidária clássica que existia há 14 anos (entre 1994 e 2008), constituindo-se como a terceira via partidária do país, como que a via do desempate. Apesar do grande peso percentual da abstenção formal, alguns milhares de pessoas votaram e, destes, uma parte significativa no candidato Manuel Araújo.
(continua)

Consumidores machos, cervejas pretas fêmeas (19)

O fim da série, de acordo com o sumário proposto aqui.
8. As artérias da Laurentina preta. Este é um tema capaz de nos levar num ápice a robustos exercícios de execração moral. Mas não farei isso. A terminar: acredito que o geral das pessoas que lê jornais ficou indiferente aos secretos conteúdos do anúncio. E como as pessoas que lêem jornais no país são uma minoria, então parece ser possível defender que a laurentina preta seguiria a sua espumante e fresca vida se não tivesse surgido um poderoso grupo de pressão a interceptar o anúncio, a estudá-lo e a revelar o que considerou ser uma sexualização abusiva. Escreveu um dia Roland Barthes que o coração é um órgão fêmea. Confrontado, então, com o que ele chamou cardiologia moral, só me resta seguir as pisadas do bom senso feminino, saudando a laurentina como cerveja e não como veículo de publicidade discriminadora.
E assim, para fazer uso do anúncio, esta série foi de boa para melhor.
(fim)

Pasteurização social (17)

Décimo sétimo número da série de um tema cujo sumário está aqui e cuja definição foi dada aqui.
8. Apostolado da graça. A defesa intransigente de uma determinada situação social por parte dos apóstolos da graça celebra a comemoração em permanência e evacua a problematização dos actos sociais, dando origem 1) à crítica de todos aqueles que pensam de forma diferente e desejam contribuir para um outro tipo de social, (2) à produção ideológica de conspirações e (3) à busca sistemática de bodes expiatórios.
Permitam-me prosseguir no próximo número.
(continua)

Mais horas, mais desemprego, mais acidentes

Com o título em epígrafe e sobre as consequências da crise financeira em Portugal, um trabalho do antropólogo Paulo Granjo no seu blogue, aqui.

28 dezembro 2011

Negociar politicamente: o caso de Putin

Várias agências noticiosas dão hoje conta de que o primeiro-ministro russo Vladimir Putin está disposto a negociar com a oposição, depois que dezenas de milhar de russos protestaram sábado contra os resultados eleitorais, em votação colocada em causa por observadores internacionais e pelo último responsável soviético, Mikhail Gorbatchev. Aqui e aqui. Recorde neste diário aqui.
Observação: para enunciar uma tese banal, nenhum político ou partido negoceia senão quando a sua supremacia foi seriamente posta em causa. A febre csarista é sempre um problema quando as pessoas conhecem as causas e os sintomas.

Apóstolos da rosa de Fontenelle

Postagens na forja

Eis alguns dos temas que, progressivamente, deverão entrar neste diário a partir da meia-noite local:
* Genéricos: Praia de Wimbe: microsocial em fotografia (20)
* Séries pessoais: Palavras-tótemes (3); Eleições 2011 e produção de futuro (21); Espíritos, doenças e médicos do invisível (10); Racismos (13); Pasteurização social (17); Consumidores machos, cervejas pretas fêmeas (19); Sobre a qualidade do ensino em Moçambique (36); Ditos (28); O que é Moçambique, quem são os Moçambicanos? (65)

Um problema

Certas coisas podem gerar problemas e mal-entendidos de vária índole, graves não poucas vezes, como este aqui.

610ª foto (Três)

"Diário de um fotógrafo", aqui

No "Wamphula fax"

Jornal "Wampula fax" editado em Nampula, edição de hoje, aqui. Recorde neste diário aqui, aqui, aqui e aqui. Se quiser ampliar a imagem, clique sobre ela com o lado esquerdo do rato.
Observação: claramente um exercício político destinado a garantir realocações de recursos de poder e prestígio do país a nível interpartidário (Frelimo/Renamo). Ameaça de pressão militar velada e de retorno pela memória a um certo passado castrense para obter um acordo civil. Exercício que, também, visa potencialmente colocar na penumbra o MDM e seus ganhos urbanos. O que surge cem certos círculos como megalomania inútil, como mero discurso "incendiário" do presidente da Renamo, como incoerência circense, é, afinal, uma ofensiva fora das estradas eleitorais, um processo de grande ruído destinado a chegar rapidamente à partilha de recursos a nível "privado".
Adenda às 6:46: confira o "Diário de Moçambique" aqui. Seria interessante um estudo das posturas psicológicas à retaguarda das posições corporais da foto.

Eleições 2011 e produção de futuro (20)

O vigésimo número desta série, no quinto ponto do sumário proposto, a saber:
5. Terceira via em Quelimane. O que mostram os resultados eleitorais nessa antiga, envelhecida, bela Quelimane, mas ao mesmo tempo jovem porque cheia de jovens? Mostram que, pela segunda vez desde 2008, a bipolarização partidária do país foi quebrada. Na verdade, em 2008, em menos de uma semana, Daviz Simango organizou uma candidatura independente, ganhando com 62% ao candidato da Frelimo, Lourenço Bulha (34%), para, numa segunda fase, criar o MDM. Este ano, em apenas dois meses, Manuel de Araújo, representando o MDM, fez uma campanha pedestre e com bicicletas que o levou à vitória também na casa dos 62%, contra cerca de 38% do candidato da Frelimo, Lourenço Abubacar.
(continua)

Ditos (27)

Vigésimo sétimo dito.
Desconfiai de todos aqueles que defendem purismos, posturas primordiais, línguas puras, códigos absolutos, purezas de sangue, antiguidades impolutas, caminhos sem bifurcações; de todos aqueles que eclipsam história e processos em favor de essências, de primordialidades e de tradições imutáveis.
(continua)

O jornalismo independente não é neutral

Com o título em epígrafe um trabalho de Carlos Martínez: "Que os meios de comunicaçcão estão cada vez mais domesticados é um facto incontestável. A forma mais directa e grosseira de controlo dos jornalistas é a empresarial. Pascual Serrano desenvolveu este tema no seu anterior livro "Traficantes da informação". Todavia este não é o único modo mediante o qual se coarcta o direito de "liberdade de expressão". Existem outras formas mais subliminares pelas quais os jornalistas, sem necessidade de ditado de um superior, transladam a informação aos cidadãos em perfeita harmonia com a ideologia dominante (tradução minha, CS). Aqui. Para traduzir, aqui.
Adenda: recorde Serrano neste diário aqui e aqui.

Gerald Cohen: Em busca de uma alternativa socialista

Com o título em epígrafe, um trabalho de 2010 na Carta Maior, aqui.

Boko Haram

Dezenas de mortos em atentados contra a igreja católica na Nigéria levados a cabo pelo movimento Boko Haram. Análises aqui, aqui e aqui; leia os comentários de um trabalho no Sahara reporters, aqui. Para traduzir, aqui.

27 dezembro 2011

Sinta

A ler amanhã

Pré-2012

Neste princípio de noite, na fresca Maputo pré-2012, passam jovens, eles fazendo músculo e ousadia, elas pondo à superfície um pouco de suas misteriosas seduções; passam casais desiguais, eles com idade encanecida simulando uma juventude falsa, elas posando ar amoroso sem raízes; passam casais descoberto/encoberto, eles de barba pensadora e túnica branca, elas de xador negro; passam casais yin-yang, passos minúsculos de mundos distantes e agora próximos; e por todo o lado, nos interstícios da vida adulta, em meio a múltiplas línguas de tantas emigrações, correm crianças que, em suas brincadeiras, não sabem que um dia serão adultas.

Postagens na forja

Eis alguns dos temas que, progressivamente, deverão entrar neste diário a partir da meia-noite local:
* Genéricos: Praia de Wimbe: microsocial em fotografia (20)
* Séries pessoais: Palavras-tótemes (3); Eleições 2011 e produção de futuro (20); Espíritos, doenças e médicos do invisível (10); Racismos (13); Pasteurização social (17); Consumidores machos, cervejas pretas fêmeas (19); Sobre a qualidade do ensino em Moçambique (36); Ditos (27); O que é Moçambique, quem são os Moçambicanos? (65)

610ª foto (Esperando)

"Diário de um fotógrafo", aqui

Apóstolos políticos

O país tem três tipos de apóstolos políticos: da graça, da desgraça e de Jano.
Os da graça apenas celebram virtudes e vitórias; os da desgraça encontram somente defeitos e derrotas; os de Jano são aqueles que, eclécticos, entendem que o país tem avanços e recuos, virtudes e defeitos, vitórias e derrotas.
A catalogação do estado de nação é fortemente marcada por cada uma dessas estradas éticas, de asfalto moral denso, de recorte psicologizante acentuado.
Centrada em pessoas-em-si, coisas, números, aspectos individualizados e combate político, essa catalogação evacua permanentemente a análise clínica das relações sociais, dos conflitos de poder e prestígio, dos grupos e das classes inscritos em modos de produção e de distribuição concretos, o estudo rigoroso da formação e da reprodução do pensamento social.

Eleições 2011 e produção de futuro (19)

O décimo nono número desta série, no quinto ponto do sumário proposto, a saber:
5. Terceira via em Quelimane. O que é Quelimane? Permitam-me esta curta pintura descritiva: Quelimane ou Cálimane (escolham), a cidade-coco, tem uma história anterior ao século XVI, os palmares encostam-na ao céu, o casario vetusto de alvenaria planta-a no passado, o mundo baixo e lodoso coberto de gente jovem e macubar na periferia espreita inquieto o futuro, as bicicletas originalizam-na em permanência; Quelimane ou Cálimane, a cidade dos prazos, dos Machuabo, das donas/sinháras de enorme poder, dos antigos adhari, berço da imprensa escrita em Moçambique, ponto arquimédico de culturas de todos os azimutes, dos segredos nocturnos, dos amores sem fronteiras, dos rostos femininos de uma beleza secreta e mestiça espreitando em janelas fantásticas de casas paradas no tempo e bula bulando nos quintais.
(continua)

Estamos divididos: por que aumenta a desigualdade

Aqui. Para traduzir, aqui.

Racismos (12)

Décimo segundo número da série, baseado numa ideia de Pierre Bourdieu, apresentada aqui. Ainda no sexto número do sumário proposto:
6. Racismo de classe. Por regra a nossa visão do social consiste em reduzi-lo a indivíduos diferentes, consiste em fazer dele um enorme agregado caótico de pessoas, consiste, enfim, em dotar a vida de coeficientes psicológicos concretos e simples. Bem mais difícil é ler o social pelo prisma de grupos e classes, dos conflitos intergrupos e interclasses.
Com a vossa permissão, prossigo mais tarde. Imagem reproduzida daqui.
(continua)

Produção útil de buracos no asfalto de Maputo

Estradas de Maputo esburacam-se rapidamente, desalmadamente, como regra geral acontece na estação chuvosa. E, também, como regra geral acontece, dentro de algum tempo deverá começar a cantonagem, cantonagem ligeira, dumba nengueira, que, no próximo ano, se esburacará de novo, neste cíclico esburacamento maputense, mas certamente com réditos para quem receber a tarefa de desburacar. Hipótese: não é a chuva que provoca os buracos, é quem supostamente desburaca que realmente buraca. A propósito e para nos entusiasmarmos com a douta filosofia em tornos dos buracos no asfalto da cidade, sugiro a leitura de um trabalho de Março de 2010 do jornalista Emildo Sambo do "Canal de Moçambique", aqui.

Renata e as capulanas

A brasileira Renata Vidal deixou no seu terminado blogue um trabalho sobre as capulanas. Aqui.
Adenda: recorde uma série minha de 2008, em quatro números, intitulada Moçambicanas e capulanas, aqui.

Liga económica mundial (2011/2020)

Aqui. Para traduzir, aqui.

Documentação

Desde 2008 que o documentalista e historiador Colin Darch (documentalista do Centro de Estudos Africanos entre 1979 e 1987) trabalha no seu Mozambique History Net - regularmente referido neste diário -, construindo secções, preenchendo documentalmente (especial atenção dada a recortes de jornais), pouco a pouco, cada uma delas.  Aqui (se usar documentos do portal, faça o favor de citar a fonte).

Fragmentos de um Estado defunto

"Como caracterizar o regime de Putin, um grupo dominante agora abalado e sitiado, por vezes considerado o mais rico na história do mundo? "Autoritarismo brando", "regime híbrido", "democracia gerenciada": os rótulos revelam menos sobre a Rússia do que sobre a incapacidade dos comentadores libertarem-se dos remanescentes da Guerra Fria no seu pensamento." Aqui. Para traduzir, aqui.

26 dezembro 2011

Dez

Entre a meia noite e vinte e a uma da madrugada, hora local, entrarão dez postagens neste diário, com um largo espectro analítico, informativo e fotográfico a nível nacional e internacional. Desejo-vos boa leitura e uma excelente terça-feira.

Sinta

Postagens na forja

Eis alguns dos temas que, progressivamente, deverão entrar neste diário a partir da meia-noite local:
* Genéricos: Praia de Wimbe: microsocial em fotografia (20)
* Séries pessoais: Palavras-tótemes (3); Eleições 2011 e produção de futuro (19); Espíritos, doenças e médicos do invisível (10); Racismos (12); Pasteurização social (17); Consumidores machos, cervejas pretas fêmeas (19); Sobre a qualidade do ensino em Moçambique (36); Ditos (27); O que é Moçambique, quem são os Moçambicanos? (65)

Produção útil de buracos no asfalto de Maputo

Apóstolos políticos

609

609 fotografias no "Diário de um fotógrafo", aqui

Eleições 2011 e produção de futuro (18)

O décimo oitavo número desta série, entrando no quinto ponto do sumário proposto, a saber:
5. Terceira via em Quelimane. Apenas o resultado combinado de uma pesquisa de percepções, de análise de conteúdo dos discursos de campanha e do estudo da geografia eleitoral (por exemplo resultados por mesas, bairros, etc.) poderá permitir analisar com propriedade os resultados nas três cidades em causa. Enquanto isso não sucede, só me resta produzir aqui algumas hipóteses, trabalhando apenas com o caso de Quelimane, cidade que foi, indiscutivelmente, a placa giratória das eleições deste ano e um indicador de democracia eleitoral “inclusiva”.
(continua)
Adenda às 10:23: uma versão completa do texto desta série ocupa as centrais (pp 16/17) do semanário "Savana" de 16/12/2011, com o título "Eleições 2011: proposta de análise com incidência em Quelimane".

Praia de Wimbe: microsocial em fotografia (19)

Prosseguindo a série: na bela Praia de Wimbe, cidade de Pemba, capital da província nortenha de Cabo Delgado, um certo microsocial do dia-a-dia captado por Carlos Serra Jr, jurista e ambientalista, que lá esteve em Novembro. Se quiser ampliar a imagem, clique sobre ela com o lado esquerdo do rato.
(continua)

Nove anos de prisão para Chen Wei

Segundo o The Telegraph,  na China nove anos de prisão para Chen Wei, escritor que publicou ensaios online pedindo a liberdade de expressão e reforma do sistema chinês de partido único. Aqui. Para traduzir, aqui.
Observação: não consegui encontrar referências ao caso na imprensa oficial chinesa. Confira, por exemplo, aqui e aqui.