O blogue "Diário de um sociólogo" foi seleccionado em 2007 e 2008 pelo júri do The Bobs da Deutsche Welle - concurso internacional de weblogs, podcasts e videoblogs - como um dos dez melhores weblogs em português entre 559 concorrentes (2007) e um dos onze melhores entre 400 concorrentes (2008). Entrevista sobre o concurso de 2008 no UOL, AQUI.
Para todas aquelas e todos aqueles que visitarem este diário, os meus votos de um 2017 habitado pelo futuro, pela confiança, pela tranquilidade e pela saúde. Sintam-se bem e regressem sempre a este espaço criado a 18 de Abril de 2006. Abraço índico.
Myspace Layouts

23 abril 2009

O mais intenso ano político da Frelimo desde 1994

Ano Eduardo Mondlane, reunião de quadros do partido Frelimo, sessão do comité central do partido e, hoje, reunião dos combatentes da luta de libertação nacional: é simplesmente impressionante o peso informacional permanente que isso teve e está a ter, a cada momento, na TVM e na RM e, mesmo, em inúmeros outros canais de informação. Por exemplo, aqueles dois órgãos interromperam esta manhã a transmissão que faziam da sessão da Assembleia da República (discussão do informe do procurador-geral da República) para, de forma prolongada, reportarem a reunião dos combatentes que se realiza na Escola Central do partido Frelimo na Matola. Ao mesmo tempo, é agora sistemático o apelo feito por militantes séniores da Frelimo por um lado a uma vitória esmagadora (sic) nas eleições presidenciais, parlamentares e provinciais deste ano e, por outro, à "vigilância" (sic) no tocante aos perturbadores da unidade nacional e da ordem social. Creio que 2009 é, desde 1994, o mais intenso ano político da Frelimo em termos de propaganda, a ideia parece ser a de eliminar esmagadoramente a oposição "não construtiva", pô-la fora de acção por exemplo no parlamento, no preciso momento em que o partido defende, sem pausa, a unidade e a pluralidade. 

26 Comments:

Anonymous Anónimo said...

Professor,

FRELIMO esta fazer o seu papel!

RM tem que fazer o seu papel! se nao...

TVM, tambem!

'E MOCAMBIQUE!

Basta ser OPOSICAO, 'e DESTRUTIVA!

tem que ser ESMAGADA!

ESMAGAR significa INCLUSAO!

MZ

23/4/09 10:07 da manhã  
Anonymous Anónimo said...

Prof.
A questão é onde anda a opsição deste país?
Realizam reuniões, seminários congressos?
Diz se que o leader anda nas zonas reconditas deste país em nenhum canal passam as imagens dele por lá porque será?
Será que a Renamo e os outros se realizarem um Congresso ou coisa parecida a TVM e a RM darão?
Pago para ver

23/4/09 10:36 da manhã  
Anonymous Anónimo said...

é um facto inegável que a oposição em Moçambique virou uma quimera. A Renamo não aparece, O MDM está a procura dos dentes, dos outros não se fala, o Homo sybindicus está claramente alinhado à Frelimo. É um excelente tema para debate a questão de como fortelecer os partidos da oposição, considerando que isso é um imperativo para a democracia prevalecer e consolidar-se no nosso pais. Um dos maiores constrangimentos é sem duvida a questão financeira-sem dinheiro faz se politica de sarjeta. Imaginam quantos milhões de meticais a Frelimo dispendeu com esta avalanche de conferencias?
A Renamo podera ter alguma capacidade financeira mas está profundamente desorganizada e sem norte.
Não devemos pedir a Frelimo para que a bem da democarcia fortaleça e ensine os outros partidos a organizarem-se melhor- devemos sim, pedir para que sejam tolerantes para os que surgem com ideias diferentes das deles, deixarem de usar o discurso depreciativo e belicista do género " esmagar " liquidar " "reduzi los a insignificancia", etc.
Também seria de bom tom o pronunciamento do sR. Presidente da Republica sobre a inclusão se transformar em realidade porque no cenário actual todos os que militam na oposiçao são vistos como extra terrestres, alvos a abater, sem direito a promoção no aparelho do Estado, marginalizados, etc.Resumindo: Devemos ser democratas de facto, coisa que muitos membros da Frelimo não conseguem ser.

23/4/09 11:42 da manhã  
Blogger Júlio Mutisse said...

No blog do Milton Machel temos discutido muitas vezes a questão da independência dos jornalistas. Discutimos umas vezes a questão dos perdiems que são pagos por quem convida para a cobertura e não pelos próprios orgãos de informação.

Rebuscando o conceito de "notícia", depois das trapalhadas dhlakamianas nestes últimos 12 meses será que o que ele faz é mesmo notícia? Será que a Renamo tem capacidade para PAGAR um batalhão de jornalistas (hospedagem, alimentação, perdiems Etc) no seu périplo pelos "pólos de desenvolvimento" de Nampula e outros pontos? Duvido. Lá não são só os jornalistas da TVM, RM, Notícias e DOmingo que nada reportam, pouco tem saído dos ditos "independentes".

Quanto ao discurso da FRELIMO, questiono-vos, queriam que a esta dissesse QUEREMOS GANHAR À TANGENTE? Mesmo no Futebol as equipas desejam GOLEAR e se podessem afirmariam tal e o reafirmariam quantas vezes podessem. Seria sinal de confiança. É o que a FRELIMO está a fazer e, como disse o primeiro comentador, está a fazer o seu papel.

Onde anda a Renamo neste jogo de propaganda? Onde anda o MDM? Era altura de fazer propaganda também e, podendo, mostrarem-se melhores que a FRELIMO apresentando ideias que suplantem qualuqer propaganda... mas pergunto como o outro acima: onde anda a oposição neste país? Tê-mo-la? O que pensa?

23/4/09 11:51 da manhã  
Anonymous Anónimo said...

Professor,

Como profissional de Branding, tenho o dever contribuir com o meu limitado conhecimento para o meu PAIS assim, acredito que a FRELIMO esta com uma grande quebra de popularidade por estar exactamente a usar os meios pouco ortoxos , o que comeca a ser habitual, e demonstra resultados economicos e humanitarios francamente pobres, numa democracia multipartidaria, se assim qisermos chamar.

A FRELIMO nao percisa de temer se realmente 'e a MAIORIA.

Ganharia mais votos se desse enfase 'as reivindicacoes das populacoes e oposicao.

inclusao comecaria por algumas accoes concretas como:

a) dar autonomia a UEM para determinar quem quer para seu lider.e ouvir a opiniao dos academicos.

b)dar voz aos JOVENS, que se sentem excluidos, salvaguardando de forma equilibrada os direitos dos antigos combatentes

c)ouvir a oposicao e garantir que sejam salvaguardados os interresses Nacionais, ainda que os mesmos venham da oposicao

d) dar espaco 'a oposicao JOVEM no parlamento de modo a criar concorrencia construtiva para o pais.

e)desencalhar gradualmente a maquina da justica, comecando por julgar casos efectivamente de prejuiso 'a nacao.

d) dar a conhecer contornos de negocios que envolvem patrimonio de estado.

e) substituir Edson Macuacua que esta ja com a imagem desgastada e encentiva ao odio, vinganca e tribalismo.

f) mudar a tonica do discurso governamental, tornando-o mais realista.

g) criar um codigo de conduta para os dirigentes.

h)substituir algumas figuras que ja demonstraram nao serem adequadas para o cargo que ocupam.

i) nao entrar com a Marca FRELIMO para concorrer com lojistas e comerciantezinhos que ja nao tem como se alimentar.

j) trabalhar com o MDM para uma nacao prospera.

k)nao entrar em operacoes de cosmetica, ser coerente e extremamente responsavel em politicas de Educacao, Cultura e Saude onde se deveria destacar um combate real e efectivo ao HIV.

l) impor regulamentacao ao cosumo e publicidade do alcool; Hoje 'e mesmo a Cidade de Maputo, "Bastiao do Partidao" que tem a maior taxa de prevalencia do HIV. cerca de 30% da gente de Maputo que 'e da FRELIMO, esta infectada! comecemos por salvar gente da FRELIMO mesmo. como podera a FRELIMO viver por mais tempo com uma taxa de prevalencia de HIV a esses niveis.

GUEBUZA era capaz de mudar o rumo da historia de Mocambique.
seria um Mocambique diferente com GUEBUZA como obreiro.

GUEBUZA tem que deixar de ser empresario para ser efectivamente CHEFE DE ESTADO. tem que recuperar o respeito que um CHEFE DE ESTADO MERECE.

as cadeias nao sao para pilha-galinhas. nao precisamos de mais cadeias, as que temos sao suficientes para os criminosos que estao fora a passear.

'e uma contribuicao profissional para um Mocambique Melhor Para Todos e Prospero, ainda que eu apoie o MDM e Daviz Simango.

e ja agora, a FRELIMO devia tambem resolver o problema de piarataria da GRINGO tambem. A GRINGO tem estado a ajudar o Governo para atingir os objectivos do milenio, tentando redizir a taxa de mortalidade infantil atravez do Projecto VIDA MOCAMBIQUE.

a opcao e escolha cabe mesmo a ele, Chefe de Estado Armando Emilio Guebuza

Cumprimentos
Abdul Karim

23/4/09 12:23 da tarde  
Blogger Nunoamorim said...

Que eu saiba, quando o MDM realizou a Assembleia Constituinte a RM e TVM cobriram na integra.
Quanto a cobertura da Conferência de Quadros e da Sessão do Comité Central, em termos de televisões, a STV difundiu mais que a própria TVM.

Ainda não consegui compreender porque, aquando dos incêndios, o Dr. Serra entrevistou o Presidente do Município da Beira, não tendo feito o mesmo ao Ministro das Finanças (aquando do incêndio na contabilidade publica) e Ministro da Agricultura (aquando do incêndio no Ministério da Agricultura). Tendo concluído que para o caso da Beira era um simples acidente e nos Ministérios da Agricultura e Finanças eram queima de provas.

Será essa parcialidade que criticam a TVM, RM, Domingo e Noticias?

É espectacular como os artigos do Domingo e Noticias relativamente a politica nacional merecem uma análise intensiva sob o ponto de vista da parcialidade, o mesmo não acontecendo com os artigos patentes no Savana, Zambeze ou Magazine Independente.

Orgulhosamente Moçambicano
Nuno Amorim

23/4/09 12:28 da tarde  
Blogger umBhalane said...

OK!

Mas também, ainda que mal pergunte, e se fizerem o favor de me ajudarem a informar-me:

- Quem controla os media, os meios de informação, em Moçambique, nomeadamente e PRINCIPALMENTE a televisão TVM, a rádio RM, e os jornais Notícias, Domingo e os "ditos" independentes???

- Quem os controla???

O aparelho de Estado, a mola dos contribuintes (doadores e moçambicanos) já sei quem é.

Ainda que mal pergunte!

23/4/09 12:29 da tarde  
Blogger Júlio Mutisse said...

Nuno Amorim, é mais fácil apontar os defeitos de outros. É por isso que se a minha casa pegar fogo é capaz de se dizer por ai que é queima de arquivo enquanto que, queimando o gabinete presidencial no Município da Beira, as causas serão: curto circuito, acidente etc. Heheheheh. Já devias estar habituado à imparcialidade a moçambicana e dos principais arautos dela.

UnBhalane, eu não sei quem controla os média todos, podes me dizer? Hehehe, deixe-me adivinhar: é a FRELIMO. Afinal contradizem-se vocês, a FRELIMO é mesmo poderosa, tem muitos apoiantes e ainda tem capacidade de control até dos órgãos que nasceram (independentes) para não serem controlados... sinal de fraqueza será então quando já não os controlar não acha?

23/4/09 2:55 da tarde  
Anonymous Anónimo said...

"30% de taxa de prevalencia de HIV na cidade de Maputo" ?????

- eh, john,vamos la falar.
quando voce esta com fome come frango pequeno ou grande?

- Grande, muito.

- eh, John, quando esta calor voce bebe muita cerveja ou pouca?

- muita, muita, geladinha!

- Vamos la falar!

MCEL fele de borla!

SIDA 30% ????? ALCOOL????

23/4/09 3:30 da tarde  
Blogger umBhalane said...

Caro Júlio Mutisse

O Sr. já viu algum escrito meu a dizer que a Frelimo não era a dona ABSOLUTA de Moçambique!!!

Se encontrar, eu ofereço-lhe um "rebuçado".

Já estou "velho", e já não vou em futebóis - a Frelimo é uma DITADURA + DURA.

Controla "tudo", ou quase, e todos, ou quase.

Não ando iludido, caro Júlio Mutisse - tivesse eu tanta certeza noutras coisas, como nesta!

E canso de avisar.

É PRECISO IDENTIFICAR CORRECTAMENTE O INIMIGO
(Samora Machel)

CONHECÊ-LO PROFUNDAMENTE COM VISTA À VITÓRIA
(umBhalane)

Concluo:

Só conhecendo bem o inimigo o poderemos derrotar.

Não subestimar, nunca, o INIMIGO.

Mais claro, desconsigo!

23/4/09 4:07 da tarde  
Blogger Reflectindo said...

Meu caro Júlio Mutisse, com certeza disseste ao Nuno Amorim o que ele anda a dizer sobre Beira. Ele escreveu tanto no Reflectindo até a dizer que a PGR já está a investigar o incêndio no Conselho Municipal da Cidade da Beira (CMCB). Para que não me acuses de fazer uma suposicão, garanto-te que as afirmacões do Nuno Amorim no Reflectindo.

Agora não entendo se queres dizer que o regime da Frelimo não controla a imprensa pública. É isso? Dizes isso com conviccão?

Do resto, a resposta do UmBhalane é CORRECTA.

Para todos

Em relacao a accão da imprensa pública nos tempos da campanha, foi decidido na reunião de quadros realizada em Nampula, para a campanha eleitoral de 2004, onde fora definido que "a vitória da Frelimo era imperativa...

A partir de agora, não precisamos de ser especialistas para sabermos o que os mais de 2000 "quadros" discutiram à "porta fechada". Só o Nuno Amorim, já mostrou a sua preocupacão em relacão os blogs como o nosso meio alternativo e pior ainda porque estamos a analisar o que a imprensa da Frelimo aliás pública publica. FOI DAÍ QUE ELE QUER CONVENCER, SEI LÁ A QUEM, QUE OS BLOGS NÃO SERVEM.

O Nuno Amorim vai nos revelar tudo, meus caros amigos.

23/4/09 6:56 da tarde  
Anonymous Anónimo said...

Alguns dos comentadores desta postagem parecem fingir que não entendem certas coisas. Ao contrario da TVM, RM, NOTICIAS, o Savana, Stv e outros privados, incluindo os blogs como este, não são órgãos públicos, e nem vivem dos nossos impostos. Por isso, são livres de publicarem o que querem. Alguma vez, o Savana, stv, ou um blog cobrou taxa de radiodifusao? Porque é que eu não sendo da FRELIMO e pagando taxa de radio, tenho obrigação de ouvir em directo na RM, toda a cerimonia de abertura de eventos da FRELIMO.

23/4/09 7:58 da tarde  
Blogger Reflectindo said...

Caro último anónimo, podes explicar ao Nuno Amorim quantas vezes puderes ele nunca vai te entender. Ele como tantos da Frelimo não sabe separar coisa pública da privada.

23/4/09 9:19 da tarde  
Anonymous Anónimo said...

Haaa, Anonimo.
nao pode perguntar!
quantas coisas que voce paga e so recebe o que te dao, e quando te dao!
se voce comecar a perguntar muitos porques vai complicar!
Vao saber que voce nao pertence da FRELIMO!
Ai ja esta complicar! Vao subir taxa de radiofusao para nos todos porque voce falou!
Vais ver preco de agua, luz, escola, tudo vai subir! Porque esse de IESE falou!
Nao pode falar! so ouvir discurso! desconversar! Ouvir disconversa! Calado! Mocambique! Nao queremos Anti-nacionalistas AQUI!
ja esses doutores das universidades estao disconversar! vamos subir propinas! estao desconversar muito! gostam muito de zangar Nuno Amorim, Orguuuuulhosamente Mocambicano! falar assim tambem! como Amorim!

23/4/09 9:26 da tarde  
Blogger umBhalane said...

"e) substituir Edson Macuacua que esta ja com a imagem desgastada e encentiva ao odio, vinganca e tribalismo."


Caro Abdul Karim

Mas já não sabemos TODOS como funcionam os partidos comunistas onde quer que seja?

Na China, Portugal, Cuba, Moçambique,...

- Colectivo; colectivismo;...

- Centralismo democrático; unanimidade;...pensamento único.

- Disciplina partidária férrea, não havendo espaço para opinião individualizada de quem quer que seja...

Para quê apontar o Sr. Edson Macuacua - só porque é disco jockey, DJ, - e coloca na aparelhagem o "disco", a música já pronta a ouvir...???!!!

Aí, até eu defendo Macuácua - está inocente, completamente.

Quanto ao que diz, à "música".

Quanto ao desempenho profissional, dou de barato.

Mas seja quem for o escolhido, será sempre,

mas sempre,

um mero disco jockey (DJ ou dee jay).

Já TODOS sabemos, mas penso que não se deve induzir, eventuais incautos, em erro.

Aquilo que Macuácua diz é a Frelimo, foi a Frelimo, e será sempre a Frelimo que revela o seu ADN, matriz, natureza:

"encentiva ao ódio, vinganca e tribalismo."


E com o devido respeito.

Cumprimentos.

23/4/09 10:56 da tarde  
Blogger Nunoamorim said...

Caro Reflectindo,
quem postou que Jo Capece renunciou porque tinha medo da derrota que sofreria do MDM, não tem moral para criticar nenhum órgão de comunicação social.
Acho que até o Domingo e Savana são mais isentos que o teu blog.

No meu modesto entender, da imprensa só se pede investigação, rigor e imparcialidade (independentemente de ser publica ou privada).

A tese do meu amigo Reflectindo é que os órgãos de comunicação privado, por não trabalharem com base no orçamento do estado, podem ser totalmente parciais ou funcionarem como boletim informativo do MDM.

Volto a repetir que ainda não vi uma análise crítica aos artigos totalmente parciais dos jornais independentes. Mesmo quando jornalistas publicam “entrevistas” com motoristas que transportaram o Anibalzinho ou ameaças do Chauque a policias, os nossos amigos que se passam de isentos, não são capazes de fazer abordagens semelhantes a que fazem ao Noticias ou TVM.

Orgulhosamente Moçambicano
Nuno Amorim

24/4/09 8:33 da manhã  
Anonymous Anónimo said...

Este Reflectindo está pior ou igual a Edson Macuacua.

24/4/09 8:38 da manhã  
Blogger Júlio S. said...

Meu caro Reflectindo,

adoro a sua "fixação" pelos meus escritos. Bom sinal, não estou a falar sozinho.

Quanto às suas certezas sobre o Nuno Amorim (que suponho seja meu camarada embora cad um pense pela sua cabeça - pelo menos eu) desaconcelho-te a manté-las porque, contacto com Nuno Amorim, só mesmo por aqui pelos blogs.

Mais, não preciso ditar nada a ninguém para que o diga, seja por mim, seja por outros, pois, garanto-lhe, TENHO OS BEM PENDURADOS (creio que sabes o que) para dizer o que penso SEMPRE, e em qualquer local, mesmo nos mais hostis a pensamentos diversos do sim senhor, seguidismo barato, como determinados blogs.

Ironisei com a pergunta de alguem mais acima que pretendia saber "Quem controla os media, os meios de informação, em Moçambique, nomeadamente e PRINCIPALMENTE a televisão TVM, a rádio RM, e os jornais Notícias, Domingo e os "ditos" independentes" para dizer que QUEM CONTROLA ATÉ "órgãos que nasceram (independentes) para não serem controlados..." NÃO PRECISA DE TEMER UM RECÉM NASCIDO QUE AINDA PROCURA OS DENTES COMO ALGUÉM JÁ DISSE. QUEM TEM O CONTROLO SOBRE ISSO TEM MUITO PODER... e não precisa temer nada.

Concordo com o Nuno Amorim quando diz "da imprensa só se pede investigação, rigor e imparcialidade (independentemente de ser publica ou privada)" e também, não é por os nossos blogs não serem financiados pelo orçamento do Estado que devemos andar por ai a pontapear a verdade em nome de uma propaganda barata das nossas convicções.

Quanto ao anónimo que fala dos "esses doutores das universidades estao disconversar" se acredita no que diz, diga a alguns que são panfletários do MDM hoje (antes foram-no da RENAMO E DO PDD) que se a FRELIMO é tudo isso que diz, têm os salários e os cargos nas unidades da Universidade Pública em risco... e podem ter que mandar certos panfletos com as limitações que uma reforma mísera do INSS pode permitir.

Mais não disse,

Mutisse

24/4/09 8:54 da manhã  
Anonymous Anónimo said...

eles estao de novo em for,ca provocadores neste site, reparam? sao sempre os mesmos, dois... quando necessario mudam de nome...os partidoes, clones de macuacua...reparem como ficam com as unhas de fora assanhados...leiam bem...

24/4/09 9:09 da manhã  
Anonymous Anónimo said...

óh Mutisse, diga-me se 'Porque é que eu não sendo da FRELIMO e pagando taxa de radio, tenho obrigação de ouvir em directo na RM, toda a cerimonia de abertura de eventos da FRELIMO? E por favor, aproveite para me dizer também 'O que é um Blog?. A forma como o senhor junta forças para condenar a liberdade de expressão dos bloguistas, da-me a impressao de que se tivesse esse poder, mandaria fechar todos os blogs com conteúdo explicito. Faça me o favor...

24/4/09 10:07 da manhã  
Blogger Carlos Serra said...

Ao anónimo (tem medo de revelar a sua real identidade?) e a outros -certos anónimos, não muitos -, em suas cruzadas inquisitoriais: já uma vez introduzi a moderação de comentários quando me cansei de certo tipo de debateiros em suas múltiplas metamorfoses patronímicas; pode rapidamente acontecer que me canse segunda vez e dote o meu spam buster de poderes acrescidos, apagando as incursões desses debateiros. Repito o que já aqui escrevi: cada um é livre, anónimo ou não, de criar blogues e de lá escrever o que bem lhe entender. Aqui não me escondo e nos outros não deixo comentários anónimos e ofensivos. A cada um a sua consciência e o seu conceito de higiene pública.

24/4/09 10:10 da manhã  
Anonymous Anónimo said...

Eu fico preocupado com a ideia que alguns transmitem dos blogues. A ideia de que eles nasceram para falar mal da FRELIMO. A ideia de que se alguém da FRELIMO defende as suas convicções e contraataca é porque é um provocador.

Não é assim que eu encaro o bloguismo. Vejo-o como um espaço de debate onde as várias verdades se cruzam, se chocam, incluindo a verdade da FRELIMO.

Temos o direito de propalar a verdade da Renamo. Temos o direito de propalar a verdade do PDD. Temos o direito de propalar a verdade do MDM. Porque a verdade da FRELIMO deveria ser amordaçada.

O comentário do último anónimo é um claro convite ao Professor para censurar os comentários favoráveis à FRELIMO. Sob a alegação de que são provocadores.

Estes NOVOS democratas espantam-me pelo seu apego aos valores da livre expressão de ideias. Deixem o Nuno Amorim e o Mutisse expressarem as suas verdades. O Professor ainda não nos informou que este era um blogue exclusivo dos apoiantes da oposição.

24/4/09 10:13 da manhã  
Anonymous Anónimo said...

Bravo Professor. Gostei deste seu apelo ao debate de ideias. Sejam estas da Renamo, do MDM ou da Frelimo.
Se o Professor aceita a minha sugestão ei-la: TEM UM ENORME PRESTÍGIO MORAL. MAIS DO QUE A CENSURA, SE O PROFESSOR PUBLICASSE AS NOSSAS ASNEIRAS E, DEPOIS, FIZESSE O QUE FEZ AGORA, CHAMAR A NOSSA ATENÇÃO PARA O QUE ESTÁ MAL (SEJA O TOM, SEJA A TENDÊNCIA INQUISITORIAL, SEJAM OS INSULTOS) NOSSA ESFERA PÚBLICA VIRTUAL FICAVA A GANHAR MUITO MAIS.
Mais uma vez, gostei Professor.
Viriato Tembe

24/4/09 10:21 da manhã  
Blogger Carlos Serra said...

De um leitor estrangeiro, devidamente identificado, recebi um email com o seguinte teor "provocador": "Estimado Carlos: O nivel de debate é fraco porque na nossa terra nao ha, nem nunca houve, uma tradiçao de debate.
No Reino Unido, nos EUA, na Australia, Nova Zelandia, Canada, India, Pakistao, etc, os mufanas aprendem debate nas escolas e liceus. Nesses paises, até ha campeonatos escolares nacionais de debate. MOZ so tem o Moçambola...
Os cocuanas sao "hopeless". O melhor entao é investir nos mufanas, do Rovuma ao Umbeluzi. Jornais nacionais, como o Savana, até poderiam sponsorizar campeonatos escolares provinciais de debate, sobre temas MOZ. O seu blog tambem podera jogar um papel importante, espicaçando as autoridades escolares nessa direcçao. SFF faça uma busca no Google sobre, por exemplo, school & debate: vai ficar espantado."
Seria interessante conhecer as opinião de outros leitores deste diário.

24/4/09 10:26 da manhã  
Blogger umBhalane said...

"Ironisei com a pergunta de alguem mais acima que pretendia saber..."

Não é "alguém".

É umBhalane.

Já esqueceu Sr. Júlio Mutisse?!

Eu lhe lembro.

"UnBhalane, eu não sei quem controla os média todos, podes me dizer?"

umBhalane, Sr. Júlio Mutisse!!!

24/4/09 10:26 da manhã  
Blogger Reflectindo said...

Um anónimo escreveu o seguinte:

“Este Reflectindo está pior ou igual a Edson Macuacua.”

Será que devo me preocupar com o tal anónimo? Com certeza que não. Eu assino os meus comentários e por cima tenho espaço onde coloco o meu pensamento e convido a todos para comentários. Tenho minhas conviccões e sobretudo sou livre e assim me sinto. Deixo os outros a contrariarem-me.

A minha preocupacão em relacão ao anónimo é ele não gozar da mesma liberdade que gozo.

Nuno Amorim

"quem postou que Jo Capece renunciou porque tinha medo da derrota que sofreria do MDM"

Fui eu que postei o artigo do VERTICAL" para chamar a Numo Amorim para comentar sobre o que aconteceu/acontece na Beira. És tu quem disse que a restruturacão da Frelimo na Beira seria uma licão da democracia. Eu clamo por essa licão, mas tu não dizes nada o que considero de fuga do debate.

Meu caro Mutisse

"Adoro a sua "fixação" pelos meus escritos. Bom sinal, não estou a falar sozinho."

Bem sabes que eu nunca finjo que não te vi, isto é que não li o teu comentário. Entre Nuno Amorim e Júlio Mutisse sei onde há de comum e diferença. Também sei onde eu convirjo e divirjo contigo. Em certas convergências nossas compreendo as razões. Isso vale-me bastante porque posso “supor” e diferenciar entre o que dizes e o que está na tua alma. Este caso da TVM e RM é o exemplo concreto, por isso evitei comentar pondo um ponto de interrogação. Desves saber qual era a minha sugestão para ti.

Repito quem disse que CNCB foi incêndio para queimar documentos no sector das finanças foi Nuno Amorim. Isso ele fez no meu blog e até disse que para Beira já tinha ido uma brigada de investigação.

É bem possível que Nuno Amorim fale sem consequência e desconheça a minha “capacidade de arquivista”, hehehehe, foste tu Mutisse que me chamaste assim e não neguei.

Uma coisa é verdade, e isso escrevi no meu blog – algumas atitudes de certas pessoas põem em causa à própria Frelimo. Essas atitudes são ofertas envenenadas à Frelimo. Mas também podem ser a política (informal) da Frelimo, pois, não é preciso que todos ou muitos de nós a gostemos. Marcelino dos Santos num discurso, em 1975, disse o seguinte: Batam palmas ou não, mas esta é a linha política da Frelimo. Ah, essa coisa de arquivista, mas dá para ver que a questão da política da Frelimo, não é ligada à sociedade.

Quanto à questão de debates em Moçambique

Concordo plenamente com o que o leitor estrangeiro ou no estrangeiro disse. É o mesmo nos países nórdicos e talvez muito mais forte nestes países, pois democracia, diálogo, justiça exige-se a partir de casa. Então, mesmo numa creche o debate, os valores democráticos, justiça têm que obrigatoriamente se verificar. Na formação de professores de todos os níveis é exigido que cada fornando escreva um artigo sobre tudo isto baseando-se no local do estágio.

Uma das minhas contribuições no MDM é neste sentido. Uns dirão que esta é uma cultura estrangeira, mas eu já escrevi tantas vezes que um dos problemas é de nunca provarmos o que dizemos em Chicualacuala ou em Nairoto ou mesmo numa barraca, mas sim na cidade de Maputo ou Pemba ou na Assembleia da República. Nós os moçambicanos debatemos e temos mais tempo para tal do que os países industrializados fazem. No período pós independência havia também muito debate embora não em torno de partidos. Durante a minha formação como professor primário, lembro-me que podiamos debater sobre um assunto a partir das 21 horas até 7 horas do dia seguinte. Eram debates duros. Um formando podia engalhar um instrutor. Pode-se imaginar do porquê não se incentivam debates a partir da escola. Há muito a ganhar na área de debate, mas também os políticos perdem quando a sociedade é muito livre.

Bom fim de semana para todos!

25/4/09 3:28 da tarde  

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home